PMDB suspende filiação de João Henrique; Mota assume diretório SSA

terça-feira, 18 janeiro, 2011

Quem procura, acha: JH nunca mais viveu dias de glória

A Comissão de Ética do PMDB decidiu na noite desta segunda-feira (17), em caráter cautelar, suspender a filiação do prefeito de Salvador João Henrique.

A informação foi divulgada pelo candidato derrotado ao governo Geddel Vieira Lima, em seu twitter oficial.

A decisão cautelar – que tem prazo de 90 dias – foi confirmada pelo presidente estadual do PMDB, o deputado federal eleito Lúcio Vieira Lima. Segundo ele, a suspensão partiu de um pedido feito por um filiado ao partido.

A medida de suspensão da filiação precede a abertura do processo de expulsão do prefeito. Segundo Geddel, a Executiva Estadual do partido se reunirá na próxima quarta-feira (19) para discutir a abertura do processo de expulsão.

Após o anúncio da desfiliação, o prefeito João Henrique enviou nota em que diz que vai entrar com um pedido no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para deixar o partido. “A solicitação atende ao trâmite legal da justiça eleitoral e se baseia no fato de que a direção estadual do PMDB tornou inviável a permanência dele nos quadros do partido”, informa a nota.

Ainda de acordo com a nota, o prefeito João Henrique “considerou o anúncio uma manobra para gerar confusão no momento em que ele concluía a peça jurídica a ser apresentada hoje ao TRE pedindo autorização para deixar a legenda”.

Ex-secretário Fábio Mota assume Executiva de Salvador

Fábio Mota, ex-secretário municipal de Serviços Públicos da capital baiana, vai assumir a presidência da Executiva Municipal do PMDB em Salvador.

Segundo o site oficial do Partido, o ex-secretário, natural de Valente, admite que está magoado com o Prefeito João Henrique, mas vencerá o momento de angústia com a nova tarefa que lhe espera.

“Ele pode ser o candidato a prefeito pelo PMDB e já começa 2011 com a missão de presidir o diretório do partido municipal”, cita o site peemedebista.

Fonte: Evandro Matos

 


Feira de Santana – Sucessão na Reitoria da Uefs já tem o primeiro pretendente

terça-feira, 18 janeiro, 2011

Reitoria Uefs: pleiteante ao cargo é doutor na área de Botânica

Na reunião do Conselho do Departamento de Biologia da Uefs, nesta segunda-feira (16), o professor Francisco de Assis Ribeiro dos Santos informou a sua intenção de concorrer à Reitoria da instituição.

Francisco Santos integra o quadro de docentes da Universidade Estadual de Feira de Santana há 22 anos, quando ingressou, ainda recém-formado. Hoje é “um professor renomado e admirado dentro e fora da Uefs”. O pleiteante ao cargo é doutor na área de Botânica.

Em seu Departamento ministra aulas, orienta alunos de graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado), além de desenvolver projetos de pesquisa e possuir uma vasta publicação em sua área de conhecimento.

Além da experiência na docência superior o candidato já ocupou cargos administrativos na Uefs, como diretor do Departamento de Biologia e coordenador do Colegiado de Pós-Graduação em Botânica, entre outros. Assim, “experiência acadêmica e administrativa são pontos fortes do candidato”.

“Em tempos de renovação e alternância de poder, saudável a democracia, o postulante a Reitoria está envidando esforços para agregar apoio a sua candidatura ao mesmo tempo em que busca, junto à comunidade universitária, um nome para compor a chapa eleitoral”, colocou.

“O que se vislumbra é um processo eleitoral acirrado na Uefs. A atual administração, que ambiciona se manter na poder por mais quatro anos, já tem um candidato oposicionista à altura do cargo. Outras composições deverão surgir, ou não. Mas, o que vale destacar é a oportunidade de escolha, a diversidade de ideias”, acrescentou. Informações da Ascom.

Fonte: interiordabahia.com.br

 


Prefeituras de Cachoeira, Lagedinho e Irecê oferecem 431 vagas em concursos

terça-feira, 18 janeiro, 2011

Municipio de Cachoeira tem inscrições abertas até o dia 21

As prefeituras dos municípios de Cachoeira, Lajedinho e Irecê estão com inscrições abertas para concursos públicos, que deverão preencher 431 vagas. A maior parte é para Irecê, que tem 195 postos de trabalho efetivo.

As inscrições vão até o dia 21 de janeiro. O custo fica entre R$ 60 e R$ 80 a depender da escolaridade. Para nível médio, os cargos são de fiscal de obras, fiscal de tributos, atendente de classe e assistente administrativo, com remuneração que varia entre R$ 510 e R$ 536,78.

As remunerações mais altas são para nutricionista e advogado – R$ 1,5 mil. Para professores, o salário é de R$ 697,81.

Cachoeira

Quem deseja concorrer às vagas disponibilizadas pela Prefeitura de Cachoeira precisa estar atento ao prazo, pois as inscrições começaram nesta segunda-feira (17), e já terminam no próximo dia 21.

São 115 vagas com salários de até R$ 5 mil para profissionais graduados em medicina. Há também oportunidades para professores, enfermeiros, farmacêutico e biólogos, dentre outras de nível superior. Para quem tem ensino fundamental incompleto há vagas com remuneração de R$ 600.

As inscrições devem ser feitas pessoalmente no Colégio Aurelino Mario de Assis Ribeiro – Rua Quintino Bocaiúva, s/n, Centro da cidade. A boa notícia é que será permitida a inscrição por procuração.

Lajedinho

A Prefeitura de Lajedinho disponibiliza outras 120 vagas para preenchimento do efetivo. As vagas são para auxiliar de serviços gerais, coveiro e vigia, dentre outros cargos de apoio, com remuneração de R$ 510.

Para cargos técnicos em contabilidade, informática e segurança do trabalho há gratificação de 40% em cima do salário. Já os professores (com oportunidades em diversas áreas do conhecimento) recebem R$ 512 de salário base, mais 30%  de gratificação.

As inscrições podem ser feitas pessoalmente ou pela internet, no site www.libri.com.br. A taxa é de R$ 60 (nível superior), R$ 40 (nível médio) e R$ 20 (nível de apoio). O prazo vai até o dia 10 de fevereiro.

Irecê

A Prefeitura de Irecê oferece 195 vagas no seu concurso. As inscrições vão até 21 de janeiro pelo site http://www.fundacao cefetbahia.org.br/ pmi/servidor/concurso.asp.

Ilhéus

Em breve a Prefeitura de Ilhéus também deve divulgar seu edital para preenchimento de novas vagas no efetivo. O pregão para a contratação de empresa organizadora do concurso será realizado no próximo dia 20 deste mês.

Euclides da Cunha

Já a decisão sobre a nomeação e posse dos aprovados em concurso do município de Euclides da Cunha está nas mãos do Superior Tribunal Federal. A prefeitura realizou concurso no ano passado, mas não convocou 30 aprovados alegando risco capaz de afetar o ajuste das contas públicas.

Fonte: interiordabahia.com.br

 


UM FANTASMA RONDA A REFORMA TRIBUTÁRIA

terça-feira, 18 janeiro, 2011

Por Carlos Chagas

Já começou a trabalhar  pelo menos um dos quatro segmentos em que Dima Rousseff dividiu o ministério: a turma do Desenvolvimento Econômico chefiada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega,  examina a reforma tributária. Tomara que o objetivo central da empreitada seja diminuir o volume de impostos  e taxas pagos pelas empresas e pelo cidadão comum, da ordem de 37%  anuais sobre o faturamento e os ganhos pessoais. Trata-se do maior percentual do mundo, até acrescido de dois pontos nos oito anos do governo Lula.

Um fantasma ronda essa iniciativa mais do que necessária.   Corporifica-se  na  canhestra alegação das elites financeiras, de que mais pessoas deveriam pagar para que todos pagassem menos. Se o segmento do Desenvolvimento Econômico aceitar essa farsa, melhor seria que seus ministros  mantivessem os braços cruzados, pois o objetivo é de as elites pagarem menos enquanto crescerá  o número dos infelizes que não pagam porque não podem,   e vão pagar.  Aliás, pagar todos pagam, já que os impostos indiretos não poupam sequer os miseráveis.

É bom tomar cuidado. Desonerar a folha de pagamento das empresas constitui proposta justa e necessária,  mas é preciso saber se não acontecerá  às custas do trabalhador. Na esteira da reforma tributária querem atrelar a chamada reforma trabalhista, eufemismo para caracterizar a supressão dos direitos sociais que sobraram do desmonte promovido nos tempos de Fernando Henrique Cardoso. Convém, no entanto, continuarmos  otimistas. Se a proposta da presidente Dilma é de extirpar a pobreza, não será  obrigando os pobres a pagar imposto.

A REFORMA POLÍTICA

Sendo as reformas o tema deste início de semana, vale lembrar que desde o governo José Sarney os presidentes da República sempre fazem a confissão, quando deixam o poder. Referem-se ao erro de não terem  viabilizado a reforma política. Foi assim com o “bigode”, como também com Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique e o próprio Lula. Este, em silêncio durante oito anos,  prestes a deixar o palácio do Planalto anunciou  que, do lado de fora, iria dedicar seu tempo a impulsionar a reforma política. Ora bolas, porque não realizou quando  podia? Ele e os antecessores, todos saltaram de banda,  dizendo tratar-se de problema do Congresso. Só na condição de ex-presidentes  lamentaram  a oportunidade perdida.

Indaga-se da postura de Dilma Rousseff. Será a reforma política  prioridade para ela? Se for, seria bom que um dos segmentos de seu ministério começasse a reunir os cacos dos mil projetos discutidos no Congresso  mas não aprovados  até hoje. Financiamento público das campanhas eleitorais, punição para o uso da caixa dois, redução do número de partidos, votação em listas partidárias  para deputado federal, uniformização dos casos de perda de mandato e quantas propostas a mais?  Se não forem  tornadas realidade neste primeiro ano de governo, adeus…

NECESSIDADE DE UNIFORMIZAÇÃO

Devem os ex-presidentes da República e os ex-governadores de  estado receber aposentadorias vitalícias, mesmo sob o rótulo de pensões? A questão é  controversa e confusa. A Constituição de 1946 não previa essa liberalidade, ainda que garantisse aos integrantes do Poder Judiciário.  Café Filho, que exerceu a presidência depois da morte de Getúlio Vargas, foi para casa sem meios de manutenção, até que anos depois o governador Carlos Lacerda o nomeou para o Tribunal de Contas da Guanabara. Juscelino, depois da cassação de seu mandato de senador, precisou virar fazendeiro, coisa que não conseguiu, passando a ser ajudado por Adolfo Bloch.  Jânio Quadros e João Goulart  nada receberam dos cofres públicos, mas não tiveram problemas: este era rico proprietário de terras e de bois; aquele conseguiu abrir conta na Suíça, sabe-se lá como.   Com o período militar e a Constituição de 1967, os ex-presidentes passaram a fazer jus a aposentadorias, da ordem dos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Com a Constituição de 1988, ávidos de vingar-se de José Sarney, deputados e senadores cortaram as pensões dos ex-presidentes, respeitados os direitos adquiridos, menos o dele, pois ainda era presidente. Para os estados valiam as Constituições estaduais.

Depois, foi uma confusão dos diabos, restabelecida a benesse por lei ordinária mas contestada pelo Supremo Tribunal Federal  quando se tratou de ex-governadores. Contestação que até hoje não entrou em vigor. Assim estamos à espera de uma uniformização constitucional.

CONSELHOS E CONSELHOS

Encontra-se em elaboração, na Casa Civil, o estatuto do recém-anunciado Conselho de Gestão, a ser integrado por empresários e técnicos escolhidos pela presidente da República para auxiliarem na realização da promessa de “fazer mais gastando menos”. Ainda existem, porque não foram extintos, o Conselho de Desenvolvimento Econômico, o Conselho de Desenvolvimento Social e o Conselho Político, criados no governo Lula.

Seria bom que Dilma Rousseff atentasse para dois outros  conselhos constitucionalmente estabelecidos, o Conselho da República e o Conselho de Defesa  Nacional, que por sinal jamais se reuniram desde a promulgação da carta de 1988.

Do primeiro fazem parte o presidente e o vice-presidente da República, os presidentes da Câmara e do Senado, os líderes da maioria e da minoria nas duas casas do Congresso, o ministro da Justiça e mais seis cidadãos brasileiros natos com mais de 35 anos de idade, dois nomeados pelo presidente da República, dois eleitos pelo Senado e dois pela Câmara,com mandatos de três anos, vedada a recondução. Compete ao Conselho da República pronunciar-se sobre intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio, o que, positivamente, não é o caso. Mas, também, sobre questões relevantes para a estabilidade das instituições democráticas. A reforma política é uma delas.

Já o Conselho de Defesa Nacional, como órgão de consulta  do presidente da República, envolve além dele,  do vice e dos presidentes da Câmara e do Senado, também os ministros da Justiça, da Defesa,   do Planejamento, das Relações Exteriores e os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica. Cabe-lhes opinar sobre decretação de guerra, estado de sítio,  de defesa e intervenção federal, coisa felizmente irrelevante, mas   também propor critérios e condições  de utilização de áreas indispensáveis à segurança do território nacional e seu efetivo uso, em especial na faixa de fronteira  e nas relacionadas com a preservação e exploração de recursos naturais de qualquer tipo. É o caso, nessas últimas atribuições, envolvendo nossas  fronteiras secas por onde entram drogas e armas contrabandeadas, bem como a defesa das reservas do  pré-sal.

Não será por falta de Conselhos que a presidente Dilma deixará de ser aconselhada em questões prementes..

 


Governador Wagner divulga nomes de 15 secretários; César Nunes sai da SSP

terça-feira, 18 janeiro, 2011

Deputado Zezeu Ribeiro foi confirmado no Planejamento

Foram divulgados nesta segunda-feira (17) a lista com os 15 nomes do secretariado do segundo mandato do governador Jaques Wagner.

Dos 15 confirmados, 10 são os atuais titulares, enquanto cinco secretários assumem o cargo pela primeira vez.

O secretário de Segurança Pública César Nunes deixa o cargo e quem assume é o delegado Maurício Barbosa.

“A definição da nova equipe segue uma orientação geral de combinar o critério de qualificação técnica para cada pasta, com capacidade política para executar com cada vez mais eficiência, as ações do nosso governo”, explicou o governador.

A novidade da lista é a recriação da Secretaria de Comunicação, que foi desmembrada da Casa Civil.

Confira abaixo a relação com os secretários do Governo Wagner:

Secretaria do Meio Ambiente – Eugênio Spengler
Secretaria Especial da Copa 2014 – Ney Campello
Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte – Nilton Vasconcelos
Secretaria da Saúde – Jorge Solla
Secretaria de Desenvolvimento Urbano – Cícero Monteiro
Secretaria da Educação – Osvaldo Barreto
Secretaria da Administração – Manoel Vitório
Secretaria da Fazenda – Carlos Martins
Secretaria da Casa Civil – Eva Maria Dal Chiavon
Secretaria de Comunicação – Robinson Almeida
Secretaria do Turismo – Domingos Leonelli
Secretaria de Infraestrutura – Otto Alencar
Secretaria da Cultura – Albino Rubim
Secretaria do Planejamento – Zezéu Ribeiro
Secretaria da Segurança Pública – Maurício Barbosa

Fonte: Interiordabahia.com.br


CURSO Campo Sonoro na Infância: da identificação das fases à estimulação

terça-feira, 18 janeiro, 2011

PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DAS ÁREAS DA SAÚDE E EDUCAÇÃO

Venham somar, ao seu conhecimento, novos recursos e ferramentas para compreender melhor àqueles com quem trabalham.Vocês conhecerão, de forma teórica e prática, como reconhecer e utilizar expressões sonoras e musicais, nas diferentes fases do desenvolvimento infantil.

Dias 12 e 19 de março de 2011Rua Dr. Neto de Araújo, 363 (próximo ao metrô Vila Mariana)Das 9h00 às 18h00Carga horária – 16 horasVagas limitadas a 15 participantes

OBJETIVO

Oferecer recursos teóricos e práticos para o reconhecimento e utilização das expressões sonoras e musicais nas diferentes etapas do desenvolvimento infantil, objetivando intervenções clínicas e pedagógicas no contexto cognitivo, afetivo e social.

METODOLOGIA

Conteúdo Teórico e Vivências Sonoras.

CONTEÚDO

Wallon

  • Introdução ao pensamento de Henry Wallon
  • A inter-relação dos campos motor/afetivo/ cognitivo e o sonoro em Wallon

Sonoridades

  • Tempo, espaço, vibração, timbre, intensidade, volume na relação motora/afetiva/cognitiva

Surgimento do Campo Sonoro

  • Sonoridade da vida intrauterina
  • Sonoridade motora-impulsiva

Campo Sonoro

  • Sonoridade visual na impulsividade emocional
  • Imagem corporal na gestualidade sonora
  • Entre a individuação do timbre e o sonoro visual
  • Sonoridade e música como cognição

PROFISSIONAIS

Silvia Cristina Rosas – Psicóloga, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento (Mackenzie-SP). Professora de graduação em Musicoterapia

Lílian Engelmann Coelho – Musicoterapeuta, Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP). Professora de graduação em Musicoterapia

Pesquisadoras das Etapas do Desenvolvimento, a partir do Campo Sonoro

INFORMAÇÕES

INVESTIMENTO

  • À vista: R$ 300,00 até 28 de fevereiro
  • Parcelado:
    • R$ 165,00 até 10 de fevereiro
    • R$ 165,00 até 10 de maço

DEPÓSITO BANCÁRIO

  • Banco Bradeso
  • Agência 0516-9
  • Conta nº 33265-8

CONTATO

  • E-mail: camposonoro8@gmail.com
  • Tel:
    • 8448-6333 – Lílian
    • 9666-5536 – Silvia