sexta-feira, 21 janeiro, 2011

Neste 22 de janeiro, se vivo estivesse,  Leonel de Moura Brizola, gaúcho, getulista, maior liderança trabalhista deste País e fundador do PDT, completaria 89 anos de nascimento. Para presta-lhe justa homenagem o Blog do Professor Desiderio republica um relato de Ricardo Noblat, importante jornalista e analista político que acompanhou de perto a trajetória de Brizola.

Coisas da Política – Jornal do Brasil

 

Quem torcia por Brizola (17/11/1989)

Por Ricardo Noblat:

No início da madrugada de ontem, reunido com líderes do seu partido na casa do ex-ministro Renato Archer, no Lago Sul de Brasília, o ex-prefeito [do Recife] Jarbas Vasconcelos, presidente interino do PMDB, formulou um apelo ao deputado Ulysses Guimarães, sentado à sua frente, em um amplo sofá: “Se der Brizola ou Lula contra Collor, temos de apoiar qualquer um dos dois. Se der Lula, não podemos vacilar nem um minuto no apoio”.

Ulysses balançou a cabeça em sinal de assentimento. Depois, comentou: “Se der Brizola, teremos menos problemas para apoiá-lo”. Jarbas e os demais circunstantes concordaram com o comentário de Ulysses. Para que o PMDB apoiasse Brizola uma votação esmagadora – algo como 6 ou 7 votos em 10.

Como Simon [Pedro, governador do Rio Grande do Sul] poderia vir a desconhecer tal coisa preferindo apoiar Collor ou mesmo se abster? Ulysses não via maior problema para compor Brizola com o governador Moreira Franco, do Rio de Janeiro. “Moreira é um pragmático”, decretou Jarbas.

O apoio a Lula fracionaria o PMDB. Nas contas de Ulysses e de Jarbas, dificilmente o governador Orestes Quércia se disporia a ajudar um dos seus mais duros adversários na política paulista. Os governadores de Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte não subiriam no palanque de Lula por causa de incontornáveis diferenças ideológicas.

O PMDB de Ulysses foi dormir ontem torcendo pela vitória de Brizola. Antes de ir dormir, Ulysses recebeu uma carta de Jarbas onde ele devolve a presidência do PMDB. Ulysses guardou a carta e não a mostrou a ninguém. Mas a disposição dele é de reassumir, logo, a presidência do partido, para poder comandá-lo nas negociações em torno do segundo turno.

O PSDB foi dormir ontem torcendo, também, pela vitória de Brizola. O senador Mário Covas avisou a seus pares desde a semana passada: se não chegasse ao segundo turno, apoiaria Brizola ou Lula. Não tinha preferência. Grande parte do PSDB tem. A direção do partido considerada que a classificação de Lula para o segundo turno poderia vir a significar a morte a custo prazo do PSDB. São Paulo e Minas Gerais são as duas bases políticas que sustentam o vôo dos tucanos. Nas duas, Lula e o PT voaram alto.

Se tornassem a voar no segundo turno, arrebentariam o PSDB e, particularmente, as candidaturas de Pimenta da Veiga ao governo de Minas e as de Covas, Fernando Henrique Cardoso ou Franco Montoro ao governo de São Paulo.

A passagem de Brizola para o segundo turno não ameaçaria a sobrevivência do PSDB. Pelo contrário. Jarbas, por exemplo, começou a propor a dobradinha Brizola-Covas para o segundo turno.

O deputado Fernando Lyra, vice de Brizola, não seria obstáculo ao entendimento entre o PDT e o PSDB se Lula terminasse perdendo a chance de disputar o segundo turno com Collor de Melo. Lyra sempre disse, e ontem tornou a repetir, que aceitou ser vice de Brizola “ para somar, não para dividir”, e que a vaga de vice não se postula, aceita-se.

O PSDB tem quadros para governar que o PDT não tem – ou tem em menor número.

Até o candidato Collor de Melo torcia para que fosse Brizola, e não Lula, o adversário dele no segundo turno. Parte da assessoria de Collor torcia pela vitória de Lula. Collor reconhece que Brizola e o PDT têm muito mais espaço de composição a oferecer que Lula e o PT. Mas acha que, contra Brizola, terá mais munição. O duelo, se depender dele, se dará entre “o novo” e o “antigo”. A carga ideológica do duelo será menor.

Será muito maior se o duelo for travado entre ele e Lula. O voto dos candidatos identificados com posições de esquerda parecia mais vasto, até o começo da noite de ontem, que o voto dos candidatos de direita ou apoiados pela direita.

Para suceder o presidente Sarney, Collor terá de alargar suas alianças para a esquerda. Se depender da fatia do PSDB do senador Fernando Henrique e do deputado José Serra, isso será possível.

——————

publicado no JB em 17/11/2009



Brizola aos 89 anos, missa no dia 26/01 em Brasília

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

PDT relembra o 89º de aniversário de nascimento de Leonel Brizola com a celebração de missa, no dia 26 de janeiro, às 18h, na Catedral de Brasília.

Assista aos vídeos de Brizola: TrajetóriaLegalidade – Resposta à Rede Globo

O PDT e todos os nacionalistas homenageiam o grande líder trabalhista, relembrando o 89º aniversário de nascimento, que cai no dia 22 de janeiro. Haverá missa em Brasília, mandada celebrar pelo presidente nacional do PDT, ministro Carlos Lupi, dia 26, quarta-feira, às 18 horas, na Catedral.

Brizola se elegeu governador por três vezes: uma pelo Rio Grande do Sul, sua terra natal; e duas vezes pelo Rio de Janeiro, sendo um dos homens mais perseguidos pelo ódio implantado no país a partir de 1964.

Como forma de reverenciar a memória do líder trabalhista, o presidente nacional do PDT e ministro do Trabalho, Carlos Lupi, solicitou a celebração de missa para reverenciar a memória de Brizola. Em Brasília a missa será celebrada no dia 26, às 18h, na Catedral.

Em todo o país acontecerão atos, religiosos e políticos para marcar a data histórica para os pedetistas.

Palestra de José Augusto Ribeiro

Livro El Caudillo – Perfil Biográfico

Íntegra do livro no Google Books

Veja mais dados sobre Leonel Brizola

Fonte: www.pdt.org.br


Ligação interurbana passará a ser local em mais 560 municípios brasileiros

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

Salvador será beneficiada com a medida da Anatel

A medida da Anatel beneficia habitantes de 560 municípios brasileiros, em um total de 39 regiões metropolitanas.

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) ampliou nesta quinta-feira (20) a lista das regiões metropolitanas em que as ligações deixarão de ser interurbanas e passarão a ser consideradas ligações locais.

A medida beneficia habitantes de 560 municípios, em um total de 39 regiões metropolitanas. Salvador é uma das cidades incluídas na medida. Confira a lista completa:

Porto Alegre (RS), Curitiba, Londrina e Maringá (PR), Baixada Santista e Campinas (SP), Belo Horizonte e Vale do Aço (MG), Rio de Janeiro (RJ), Grande Vitória (ES), Distrito Federal e Entorno (DF/GO/MG), Goiânia (GO), Vale do Rio Cuiabá (MT), Salvador (BA), Pólo Petrolina e Juazeiro (PE/BA), Aracaju (SE), Maceió (AL), Agreste (AL), Campina Grande e João Pessoa (PB), Recife (PE), Natal (RN), Cariri e Fortaleza (CE), Sudoeste Maranhense (MA), Grande Teresina (PI/MA), Belém (PA), Macapá (AP), Manaus (AM), Capital (RR), Central e Sul do Estado (RR), Florianópolis, Chapecó (SC), Vale do Itajaí, Norte/Nordeste Catarinense, Lages, Carbonífera e Tubarão (SC).

Essa revisão do tipo de chamadas é feita anualmente. O prazo de adequação é de até 120 dias. Informações do Correio.

 

 


D I S S E R A M

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

Emmanuel- (Chico Xavier)
Que não vencerás em teus empreendimentos;
Que o teu doente está no clima da morte;
Que atravessarás longas noites de preocupações;
Que não mais encontrarás o trabalho que mais desejas;
Que te recuperarás de perdas sofridas;
Que não realizarás os sonhos que acalentas;
Que os entes amados distantes de nunca mais te voltarão ao convívio;
Que o desgate do corpo físico não mais te permitirás as realizações que
tanto almejas;
Que por essa ou aquela falta, andarás sobre a Terra constantemente sobre
pedras e espinhos;
Tudo isso disseram…
Entretanto, continua agindo e servindo, orando e esperando,
porque as opiniões de Deus são diferentes.


A GUERRA FRIA DO PT DIANTE DA REELEIÇÃO MARCELO NILO, POR TASSO FRANCO

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

Almoço de Marcelo com jornalistas, final de 2010, e as “condições” exigidas por Wagner

Durante almoço com os jornalistas que cobrem o dia-a-dia da Assembleia Legislativa, final do ano passado e época das comemorações natalinas, o deputado Marcelo Nilo (PDT), presidente da Casa, confidenciou aos repórteres quando perguntado se teria o apoio do governador Jaques Wagner (PT) para um terceiro mandato na Casa, que havia conversado com o chefe do Executivo e este lhe disse o seguinte: – Crie as condições que lhe apoio.

  Naquele momento, protegido pela estátua de Ruy Barbosa, adiantou que estava criando as condições e, na sua contabilidade, tinha o apoio de 40 deputados. Como a ALBA só tem 63 deputados, 23 ainda estariam sem os acertos finais, dos quais, não se sabe se os 10 do PT, e/ou 16 da oposição e 7 do PT.

  O certo é que passados 30 dias do almoço ainda pairam dúvidas se a bancada do PT vai apoiar à reeleição tripla de Marcelo Nilo ou se vai lançar um candidato à presidência da Casa, o já anunciado Paulo Rangel, líder do PT. Esta semana o PT fez uma reunião sobre o tema e vai fazer uma outra na próxima semana, quando o momento da disputa vai se afunilando.

  Ontem, Jonas Paulo, presidente do PT na Bahia emitiu uma nota dando conta do encontro da bancada do seu partido, na qual fala em conseguir unidade, consenso, permitir a governabilidade do projeto Wagner/Dilma, mas, não cita nem Marcelo; nem nenhum outro nome. Estaria, pois, a buscar esse nome nos próximos encontros!

  Até onde se sabe e esse é o comentário circulante nos corredores da ALBA, Marcelo já consolidou às condições exigidas pelo governador, mas, ao contrário de 2008/9, quando enfrentou o deputado Elmar Nascimento (PR) na disputa pela presidência, ainda não aconteceu o apoio do PT, como partido, nem um provável almoço no Barbacoa, como ocorreu em 2008.

  Há, portanto, sinais de fumaça. E, claro, onde tem fumaça; tem “fuego”.

  Uma das questões recentemente levandatas dá conta de que, uma reeleição tripla de Marcelo Nilo na presidência da ALBA, contabilizaria uma cota parte do PDT na equipe Wagner. O que, convenhamos, representa um absurdo, visto que a Presidência da Assembleia é a chefia do Poder Legislativo.

  Em tese, tão importante quanto a função do governador; e o cargo da desembargadora Telma Britto, presidente do TJ.

  Mas, o que está se falando no mercado das alianças políticas é da fatia de poder que caberia a cada partido no atual governo. E, nessa fatia, inclui-se a presidência da Assembleia, no caso com Nilo, da cota PDT. Há muxoxos partidários. Nada irreconciliáveis. O PDT esatraia bravo.

  Ainda assim, até a eleição propriamente dita, voto secreto, no início de fevereiro, Marcelo continua criando as tais condições exigidas por Wagner e o PT promovendo reuniões. Estabeleceu-se uma guerra fria como nos anos 1960, entre a Rússia e os Estados Unidos.

  Momento, portanto, de muita paciência, mais conversas políticas, mais ajustes, até que a fumaça brança da chaminé de Ondina seja lançada ao ar. Haberemus, entonces, el papa.

  

fonte: Bahia Já


MESTRE CURIÓ É TEMA DE LIVRO LANÇADO AMANHÃ NO FORTE

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

O Forte de Santo Antônio Além do Carmo sedia hoje (21), sexta-feira, às 19h, o lançamento do Livro Histórias e Recordações da Vivência de Mestre Curió, com relatos e fotografias do reconhecido mestre de capoeira angola na Bahia, organizado pelo professor Jorge Conceição.
 
Composto por 184 páginas, o livro foi editado em dois idiomas, 90 páginas em português e 94 em inglês. O lançamento faz parte 22º Evento da Escola de Capoeira de Angola Irmãos Gêmeos (Ecaig) com o tema Capoeira Angola – A importância do mestre de tradição oral no espaço formal.
Outras ações acontecem no sábado (22) na sede da Ecaig, localizada no 2º andar do nº9 da Rua Gregório de Matos, no Pelourinho, Centro Histórico de Salvador. O lançamento do livro finaliza intensa programação realizada pela Ecaig. Dias 17 e 18 (janeiro, 2011) aconteceram aulas com mestre Curió e dia 19 mesa redonda, além de missa na igreja de São Francisco e roda de capoeira no cruzeiro de São Francisco. O encerramento acontece no sábado com tradicional caruru para Cosme e Damião.
 
A angola é considerada pelos estudiosos como a capoeira mais antiga e tradicional. Marcada por malandragem e movimentos sinuosos mais próximos ao solo, segundo especialistas, a capoeira angola se aproxima da forma que os escravos jogavam e/ou lutavam. Existente há mais de 500 anos, a capoeira “não é luta, é arte, é coreografia, é religião, é cultura, é filosofia, é concentração espiritual e é educação”, define Mestre Curió, que dedica 65 anos de sua vida à atividade. Curió foi um dos alunos do célebre Mestre Pastinha que imortalizou a capoeira na Bahia e Brasil.
 
Além já ser Patrimônio do Brasil desde 2009 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e Patrimônio da Bahia pelo IPAC desde 2006, segundo o Ministério da Cultura (MinC), a capoeira é o produto cultural brasileiro mais difundido no mundo.
 
Propriedade da União cedida ao Estado, o Forte de Santo Antônio é administrado pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), órgão da secretaria de Cultura (SecultBA), que também restaurou e tombou o prédio secular como Patrimônio da Bahia, que sedia academias de capoeira. O forte fica no mesmo lugar da extinta trincheira de defesa Baluarte de Santiago, construída em 1627, após a expulsão dos holandeses de Salvador. Na década de 1950, foi transformado em Casa de Detenção desativada depois em 1976.
 
Atualmente o forte sedia ações de caráter social, educativo e cultural. Mais informações sobre o livro do Mestre Curió e a Ecaig são disponibilizadas através dos telefones 3321-0396 e 3323-0081. Dados sobre o forte estão no endereço eletrônico http://fortesantoantonio.blogspot.com ou telefones 3117-1492 e 3117-1488. Mais informações sobre o IPAC no http://www.ipac.ba.gov.br.

Fonte: Bahia Já 


Impasse com cota do PDT deve adiar anúncio de JW; pedetistas se reúnem

sexta-feira, 21 janeiro, 2011

  

Brust não aceita o espaço que foi oferecido ao PDT

O governador Jaques Wagner (PT) ainda não chegou a um consenso sobre a participação do PDT em seu secretariado. O partido pleiteou um maior espaço no primeiro escalão da administração estadual, mas as negociações estão travadas.

Estão em jogo, neste processo, o controle da Secretaria da Justiça e da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração. Por causa desse impasse, é possível que haja um atraso no anúncio das nove secretarias ainda indefinidas, que está previsto para esta sexta. 

Nesta quinta, a assessoria do governador informou que existe a possibilidade de o anúncio do restante da equipe ser realizado somente na segunda-feira, mas os assessores não descartaram a possibilidade de que ocorra nesta sexta (21). 

A principal pendência é, de fato, o PDT. Inicialmente, o governo estadual havia oferecido apenas uma secretaria ao partido – a de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). No entanto, na quarta, 19, seus integrantes manifestaram ao secretário de Relações Institucionais, Cézar Lisboa, o desejo de ampliação desse espaço. 

“Ainda não chegamos a um acordo. Vamos nos reunir amanhã (sexta-feira) de manhã com nossos deputados e o restante da Executiva Estadual para avaliar o andamento das negociações”, afirmou Alexandre Brust, presidente estadual da legenda. 

Fontes próximas ao governador dizem que Wagner ofereceu a Secretaria da Justiça ao partido, mas exigiu como contrapartida retirar do comando dos pedetistas a Agerba (Agência de Regulação e Serviços Públicos). A proposta não foi bem recebida. 

Do outro lado, o PDT pede o controle da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração, cuja margem de recursos para investimentos é maior, mas esbarra no desejo do PT de manter essa secretaria sob sua tutela, como é hoje. Informações do A Tarde. 

Reunião com a cúpula do PDT 

Neste momento, a alta cúpula do PDT baiano está reunida em Salvador para tratar sobre o espaço do partido no governo. Além do presidente Alexandre Brust, a reunião conta com os deputados federais eleitos e reeleitos José Carlos Araújo, Marcos Medrado e Félix Júnior (Oziel Oliveira, de Barreiras, não pode comparecer), os estaduais Marcelo Nilo, João Bonfim, Paulo Câmara, Euclides Fernandes e Roberto Carlos. 

A principio o partido não aceitou a Secretaria de Justiça, que foi oferecida pelo governo nesta quinta-feira. “Além de ser oferecida já sem alguns setores, não é do nosso perfil”, disse Brust. 

Todos os deputados do partido e a direção estadual têm demonstrado insatisfação com o espaço oferecido ao partido até agora. “Isso não é brigar por cargos como alguns querem colocar. O que estamos lutando é pelo nosso espaço político, que não vem sendo considerado como o de outros partidos”, explicou o presidente. 

Evandro Matos, da redação do Interior da Bahia