Riachão: Prefeita Tânia entrega praça com Harmonia do Samba e deixa seus críticos em silêncio

quarta-feira, 28 dezembro, 2016

 

praca2

praca2Uma grande expectativa por parte da população de Riachão do Jacuipe estará  chegando ao fim na noite desta quarta-feira, dia 28, quando acontecerá a inauguração da Praça Coronel Marcolino Mascarenhas, popular Praça da Matriz, localizada no centro da cidade. Depois de um ano e meio fechada, a praça, totalmente reconstruída, será entregue à população.

A obra, fruto de uma emenda conseguida pelo deputado federal Paulo Azi, teve inicio em meados de 2015, foi interrompida algumas vezes devido a impasses burocráticos junto à Caixa Econômica Federal, que alegava falta de recursos do governo federal para o cumprimento do cronograma de repasses previstos no contrato.

pracaMas, agora, livre dos impasses burocráticos, a praça está pronta para embelezar mais ainda o centro da cidade e será entregue à população pela prefeita Tânia Matos com uma grande festa, com a presença da banda Harmonia do Samba, além de outras atrações locais.

A entrega da praça virou uma espécie de desafio para a prefeita Tânia Matos, que muitas vezes foi criticada injustamente pelos seus adversários. Alguns deles se aproveitaram dos entraves burocráticos de obras que têm vínculo com o governo federal para tirar proveito durante a campanha eleitoral deste ano. Agora, a prefeita mostra quem tinha razão, fazendo calar os seus críticos.

Cartão postal

O antigo espaço, sem intervenção por parte dos gestores há muitos anos, ganhará uma nova e moderna praça com área de lazer, fonte luminosa, esplanada, pergolados, coberturas, além de uma arborização especial, adaptada ao clima da região. praca-harmoniaDe acopraca1rdo com as informações, a obra teve um investimento de R$ 500 mil, garantidos pelo Ministério do Turismo, mas uma conquista do deputado Paulo Azi. Do total, R$ 490 mil vieram via repasse do governo federal e R$ 10 mil como contrapartida do município, responsável pela sua execução.

A solenidade de inauguração será nesta quarta feira (28), a partir das 18 horas. Depois da solenidade, haverá shows com Harmonia do Samba, Itamar & Banda e Lucas Matos. Agora, a população jacuipense irá desfrutar do esforço feito pela prefeita Tânia Matos, que coloca à disposição de todos um equipamento que se torna num dos principais cartões postais do município. (Da redação, com informações de Rodrigo Nascimento).

NOTA

A prefeita Tânia Matos(PDT), também divulgou nota a imprensa em que afirmou ter acabado de honrar com todos os compromissos da EDUCAÇÃO, incluindo professores, gestores pessoal de apoio, transporte escolar, de limpeza e motoristas dos amarelinhos. Ressaltando também que os compromissos da ASSISTÊNCIA SOCIAL acabaram de ser honrados. “Assumimos e todos os nossos COMPROMISSOS e estamos deixando as finanças do nosso município com honradez e responsabilidade.” Finalizando a prefeita convidou a todos para celebrar a realização de um sonho, em uma NOVA PRAÇA DA MATRIZ.

Fonte: http://www.interiordabahia.com.br


Em 2017, brasileiros querem cadeia para corruptos e fim da crise econômica

quarta-feira, 28 dezembro, 2016
Entrevistados pelo ‘JB’ mostram descrédito com políticos e esperam mais protestos nas ruas
Jornal do BrasilFelipe Gelani *

O arquiteto Thiago Gomes de Oliveira compartilha da expectativa da maioria. “Espero que 2017 seja melhor do que o ano atual, tanto na política quanto na economia. Que a justiça consiga pegar todo esse pessoal que está roubando, e que a partir daí consigam fazer alguma coisa.” Para o arquiteto, com isto, os ajustes necessários para melhorar os dois setores poderão ser feitos, “mas acho que a melhora vai ser bem lenta”.

Mas tem gente que não crê que a mudança vai ser conquistada de forma pacífica. Para a técnica em enfermagem Adriana Martins, não se pode esperar nada da política. Nem em 2017, nem no futuro. “Eu só espero alguma coisa do povo. Espero que o cidadão brasileiro acorde e veja que quem manda no país somos nós. Nós colocamos aquelas pessoas lá para nos representar.”

Adriana, com um gesto firme da mão direita, de punho fechado, decretou: “Espero que o povo reaja em 2017, nem que seja com uma guerra civil. Do jeito que está, não pode ficar. É isso que eu espero, da política mesmo não espero nada”, e emendou: “Se o povo continuar dizendo que não gosta de político, vai continuar refém dos políticos.”

Sobre a economia, Jorge Sardinha deu seu ponto de vista profissional: ele é analista de petróleo. “Com o petróleo barato, os contratos estão diminuindo. O escândalo de corrupção na Petrobras está piorando os negócios. Mas vai chegar um ponto no qual não vai dar mais para descer e vamos retomar o crescimento.”

Sardinha se diz “de direita”, mas tem críticas ao atual governo. “O governo atual está tentando resolver, mas não acho que vai mudar nada de um dia para o outro. Além disso, minha geração não vai se aposentar…”

A bancária da Caixa Econômica Federal Vanessa Moraes demonstra mais otimismo. “Estamos em um momento de muita incerteza, mas estou bastante otimista. As coisas já começam a melhorar. Vamos sofrer um pouquinho, eu sei, mas acredito que vai ser muito melhor em 2016. Tenho convicção disso.”

Vanessa Moraes está otimista para o próximo ano
Vanessa Moraes está otimista para o próximo ano

Sobre a questão do desemprego, que deve continuar afetando a vida do brasileiro no próximo ano, Vanessa não demonstrou preocupação pessoal sobre o assunto. “Quanto ao meu trabalho estou otimista. Sou concursada, né?” Quando perguntada sobre a possibilidade de abertura de capital da Caixa, ideia já aventada pelo governo, ela também não acredita na possibilidade de que seu posto de trabalho seja afetado. “Seja o que for, vai ser bom para todo mundo. Acho que cada um fazendo sua parte, não temos o que temer.”

Já o psicólogo Otávio Martins acha que 2017 é o ano em que haverá uma “explosão geral”. “Acho que estamos caminhando para um momento em que tudo isso vai eclodir. Vamos ter um momento de dificuldade, pois estamos em uma crise. Espero que tudo isso seja exemplo para que no futuro essas coisas não se repitam.” Otávio acredita que estamos próximos de um “ponto de virada”. Segundo ele, vamos “precisar chegar no fundo do poço, que ainda não chegou, e do fundo vamos conseguir construir coisas melhores. Acredito que esse momento será em 2017.”

Otávio Martins acredita que 2017 será um ponto de virada
Otávio Martins acredita que 2017 será um ponto de virada

Bárbara Cruz é uma das que fizeram a afirmação de que 2016 foi um “ano conturbado”. A funcionária da área de responsabilidade social de um escritório de advocacia também fez a analogia do fundo do poço. “A gente passou por essa tempestade para, quem sabe no ano que vem, venha a bonança. O fundo do poço já passou e quando você chega até o final, a tendência é subir. Espero que 2017 seja um ano mais feliz em todos os aspectos, principalmente para aqueles que sofrem com a desigualdade.” E ela concluiu: “o ano teve uma energia muito pesada, não só no Brasil quanto no mundo.”

Bárbara Cruz tem esperança de um 2017 mais feliz, "principalmente para os que sofrem com a desigualdade"
Bárbara Cruz tem esperança de um 2017 mais feliz, “principalmente para os que sofrem com a desigualdade”

O holandês Etienne Coirwinkel deu seu parecer internacional sobre o país. E reforçou que a crise não foi exclusividade nossa. “Para 2017 acredito, mas não desejo, que os populistas vão vencer as eleições, talvez na França, talvez no meu país e talvez até na Itália e Alemanha. Já tivemos o Brexit, e Donald Trump eleito nos EUA. Então, me parece que temos uma onda de populismo.”

Sobre o Brasil, Etienne disse que “sempre se ouve lá fora que o país tem dificuldade de separar política da corrupção”. “Minha esperança é de que vocês vão encontrar algumas boas pessoas que possam também ser bons líderes.”

Esperança também foi a palavra utilizada pela atriz Talita Nascimento. “Tenho muita esperança de melhoria. Acho difícil que o Temer caia, mas estamos lutando para isso, principalmente a gente da cultura. Tudo está sendo afetado, mas acredito que nossa área está sendo a mais afetada. A expectativa é baixa, mas a esperança é alta.”

O engenheiro mecânico aposentado Carlos Miranda reproduziu a rejeição crescente que o brasileiro vem tendo com a classe política. Especialmente contra o PT. “Espero que todos esses ‘petralhas’ sejam presos, principalmente o Lula. Que todos esses políticos sejam presos. Que a gente tenha políticos decentes, ou então que não tenha políticos.”

Carlos não demonstrou uma visão muito otimista quanto ao próximo ano. “Já que eles estão pensando só nos próprios bolsos, é melhor que não tenha nenhum. Acho que 2017 não vai ser um ano melhor.” Ele concluiu: “Só acredito se houver alguma mudança. Se aparecer uma pessoa aí… uma pessoa que não seja um político, para levantar esse país.”

* do projeto de estágio do JB