Riachão: Colégio Maria Dagmar fecha com chave de ouro visitas do Instituto Anísio Teixeira-IAT

segunda-feira, 28 agosto, 2017

A presença da comitiva do Instituto Anísio Teixeira (IAT), órgão ligado à Secretaria de Educação do Estado da Bahia, no Colégio Estadual Maria Dagmar de Miranda, em Riachão do Jacuípe, não poderia ter sido melhor.

Além da boa acolhida por parte de direção e dos professores, os alunos também se comportaram de forma exemplar, interagindo e colaborando com o desempenho das atividades desenvolvidas.

Logo na abertura das atividades, o diretor geral do IAT, professor Desidério Bispo de Melo, usou a técnica da musicoterapia para dialogar com os estudantes. Com um violão ele atraiu o estudante Dener Evair Pastor Cordeiro, que, assim, introduziu os trabalhos para todos os colegas no auditório do colégio Maria Dagmar. “Essa é uma técnica que podemos utilizar, usando a música como um elemento agregador, para facilitar o aprendizado dos alunos”, explicou o diretor, que também é formado em musicoterapia.

E foi nesse clima que as atividades se desenvolveram, compartilhadas por professores e alunos, principalmente nas discussões sobre a Prova Brasil. Atento, o professor Gerson Alves de Santana avaliou como positiva a passagem da equipe do Instituto Anísio Teixeira pelo colégio. “Para mim, o saldo é positivo, pois tivemos atividades e discussões sobre assuntos bem interessantes. Isso poderia acontecer mais vezes, porque, além de trazer conhecimento, proporciona também um momento de descontração para todos”, disse Gerson Santana, que é professor de Biologia do colégio.

A estudante do 3º ano, Clara Beatriz Simões Barbosa, 16 anos, seguiu a mesma linha de pensamento do professor Gerson. “Para nós, foi uma ótima oportunidade para ampliar nossos conhecimentos, principalmente sobre a Prova Brasil. Por isso, todos se interessaram, mas também pela forma como tudo foi mostrado, com música, enfim”, disse.

Diretor do colégio: ‘Visita grandiosa’

Anfitrião, o diretor Jucemar da Costa se mostrou solicito desde a chegada da equipe e, apesar de atarefado com a logística diária do colégio, entendeu como muita proveitosa a visita da equipe. “É um motivo de orgulho para todos nós, e até uma surpresa, ter a oportunidade de conhecer as ferramentas produzidas pelo IAT, como a Plataforma Anísio Teixeira, com novas possibilidades de pesquisa para todos. Foi uma grandiosa oportunidade para nossos alunos aprenderem in loco os trabalhos de vocês, além da forma como foi tratada a Prova Brasil. Enfim, nós só tivemos a ganhar, por isso gostaríamos de agradecer a vocês pela visita e estamos sempre às ordens”, pontuou.

Além do diretor Jucemar da Costa, da vice Ana Célia, estavam no Auditório também os professores Júnior, Isabela, Lea, Hélia, Fátima, Luciene, Evando e Gerson.

Iniciado com música, o encontro foi fechado no mesmo clima. Como nas outras escolas, os estudantes mostraram sincronia com os versos de Tempo Perdido (Legião Urbana) e Trem Bala (Ana Vilela), mostrando que a musica é mesmo um “elemento facilitador do aprendizado”, como disse o diretor Desidério Melo.

Por Coordenador de comunicação: Evandro Matos / Fotos: Roberta Rodrigues

http://www.interiordabahia.com.br


Rui dá início à terceira missão internacional em Kiev, nesta segunda (28)

segunda-feira, 28 agosto, 2017
 

O governador Rui Costa dá início à terceira missão internacional nesta segunda-feira (28), quando desembarca na cidade de Kiev, capital da Ucrânia. O Secretário da Educação, Walter Pinheiro, também integra a comitiva do Governo do Estado. No país da Europa oriental, Rui assina, na terça-feira (29), o termo de compromisso com a empresa Indar para que a Bahiafarma forneça insulina no Brasil e construa uma fábrica para produzir o medicamento na Bahia. “A primeira agenda oficial fora do país não significa apenas um marco para nossa indústria farmacêutica. A parceria com a empresa ucraniana assegura mais desenvolvimento e geração de empregos para a Bahia. Nossa principal meta nesta missão internacional é trabalhar pelos baianos”, afirmou o governador.

Com a assinatura desta terça, a Bahiafarma será o único laboratório farmacêutico produtor de insulina no Nordeste e um dos poucos no mundo. O Ministério da Saúde já aprovou o projeto de produção de insulinas do laboratório público baiano por meio da Portaria 1.993, publicada no Diário Oficial da União neste mês de agosto, com efeito imediato. Com a publicação, a Bahiafarma passa a estar apta a fornecer o medicamento ao Sistema Único de Saúde (SUS) e vai ser responsável pelo fornecimento de 50% da demanda de insulinas do Ministério.

China
Após o compromisso na Ucrânia, Rui retorna à China para dar continuidade às negociações que estão destravando projetos importantes para o desenvolvimento do estado, a exemplo do Porto Sul e da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). O desembarque no país asiático será na quarta-feira e já estão agendadas mais de dez reuniões da comitiva baiana com empresários e autoridades locais.

Entre os compromissos já programados está a assinatura do memorando de entendimento com os representantes das empresas chinesas interessadas na construção da ponte que vai ligar Salvador à Ilha de Itaparica. A partir de agora, os chineses vão realizar estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental, complementares ao projeto de construção e operação do Sistema Viário Oeste, visando rever e validar sua estruturação.

Integram a comitiva do Governo da Bahia os secretários estaduais Fábio Vilas-Boas (Secretaria da Saúde), Bruno Dauster (Casa Civil), Jaques Wagner (Desenvolvimento Econômico), o presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias, e a assessora de Relações Internacionais, Fernanda Régis.

Em outubro de 2015, o governador Rui Costa fez sua primeira missão internacional, na Europa. Em 13 dias, foram cerca de 20 compromissos oficiais em três países: Alemanha, Itália e Espanha. Em março do ano passado, foi a vez de Rui e comitiva do Governo do Estado irem à China com o propósito de acelerar a execução de obras de mobilidade e infraestrutura na Bahia.

Fonte: Secom/ http://www.educacao.ba.gov.br/


Reforma política: falta de consenso revela pressa e luta por interesses

segunda-feira, 28 agosto, 2017
Na briga para permanecer no poder, Congresso atropela o debate e o diálogo
Jornal do Brasil/Felipe Gelani *

“Não se discute uma reforma política a toque de caixa. Não se discute um programa político em dias. Isso revela um desespero para as eleições de 2018. O atual Congresso tem medo de perder sua vaga”, afirma o professor, lembrando que as medidas têm até 8 de outubro para serem votadas e valerem já para o ano que vem.

Segundo ele, alguns congressistas têm pressa para chegar a uma mudança que permita a permanência de figuras que já ostentam o poder em Brasília, impedindo uma eventual renovação no Congresso. No entanto, essa mesma pressa não permite um diálogo que faça com que estes interesses possam convergir em prol do avanço da reforma.

Vicente Cândido e Rodrigo Maia durante sessão sobre reforma política, na Câmara
Vicente Cândido e Rodrigo Maia durante sessão sobre reforma política, na Câmara

“A imagem do Congresso frente à opinião pública é muito controversa. Isso pode causar um número muito grande de votos nulos no ano que vem. A saída é mudar o jogo e a prova é a velocidade com que eles tentam fazer isso. Logo, esse impasse é fruto desse desespero”, explicou Carvalhido.

Para o professor, a tentativa de manutenção do poder é uma característica própria do político “desde Maquiavel”. No entanto, a percepção da sociedade “está muito desgastada ao longo dos anos”, com os inúmeros casos de corrupção e gestões ruins.

“A opinião pública está vendo que essas pessoas estão de fato se perpetuando no poder apenas para benefícios próprios. Sabemos que isso sempre ocorreu, mas agora está muito evidente. Só que a população está cada vez mais atenta, mais politizada. Consequentemente, a classe política está preocupada e tem medo de perder o poder”, afirmou.

As declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) e do ministro do STF Gilmar Mendes exemplificam essa falta de consenso em Brasília. Maia afirmou que menos fundos para campanhas seriam “uma boa experiência”, comentando a queda do projeto de um fundo que garantiria R$ 3,6 bilhões para campanhas, diante da reação da opinião pública.

Já Gilmar Mendes defendeu a volta do fundo privado para candidaturas. Segundo ele, com o fim do financiamento de corporações “passamos agora a ter todas essas dificuldades”. De acordo com o ministro, “o sistema hoje está de pé quebrado e precisa realmente ser revisto”, complementou. Para o professor Carvalhido, figuras com maior poder econômico teriam vantagem caso o posicionamento de Gilmar fosse concretizado. “Isso sustenta as oligarquias no poder”.

Na quarta-feira (23), a comissão da reforma política aprovou o parecer da deputada Shéridan (PSDB-RR), que acaba com as coligações partidárias para as eleições de deputados e vereadores já a partir do ano que vem, e cria a cláusula de barreira gradativa de 2018 até 2030. Ao contrário da proposta anterior do deputado Vicente Cândido (PT), as novas medidas encontram mais aceitação entre os partidos maiores e pode ter mais sucesso no Congresso.

* do projeto de estágio do JB


Estudantes usam a arte do grafite para homenagear capoeirista Mestre Paulo dos Anjos

segunda-feira, 28 agosto, 2017

Fotos: Paula Fróes/GOVBA
Com o objetivo de estimular a expressão artística e sensibilizar estudantes da rede pública de ensino em relação ao cuidado com o ambiente escolar, o projeto Mais Grafite promoveu uma nova oficina, nesta sexta-feira (25). Depois de visitar escolas em São Caetano e Pirája, a iniciativa chegou ao Bairro da Paz, onde realizou uma oficina sobre arte urbana, no Colégio Estadual Mestre Paulo dos Anjos, homenageando o capoeirista que dá nome à escola, pela representatividade dentro da comunidade.
 
Elaborado pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), o projeto faz parte do programa estadual Pacto Pela Vida. Para Carlos Martins, titular do órgão, a iniciativa promove a arte em prol do embelezamento e cuidado com as escolas e ajuda valorizar a cultura jovem da periferia. “Queremos aproximar o estado desses jovens e fazer com que eles tenham uma relação de cuidado e carinho com o patrimônio, e também descubram a arte, a cultura, o lazer, o esporte, e, possivelmente, uma oportunidade de geração de emprego e renda através do grafite”.

Poder da música
A atividade também contou com uma apresentação da Banda Sinfônica da Paz que integra o programa Neojibá. O grupo se apresentou sob a regência do maestro Esdras Efraim. Ele acredita que levar a música para a escola pública é uma oportunidade de democratizar a arte nas comunidades mais carentes. “É um momento de integração. A arte tem uma importância muito grande para esses jovens, abrindo caminhos e possibilidades para que eles possam ter melhores chances de conquistar seus objetivos”.
Projeto
Ao todo, 14 oficinas do projeto serão realizadas até o fim de 2017. A ação já passou pelos colégios estaduais Carlos Alberto Cerqueira, em São Caetano, e Cesare Casali, no bairro de Pirajá. O projeto ainda vai contar com uma segunda etapa, que está sendo planejada por um grupo de trabalho formado por técnicos das secretarias de Educação (SEC); Cultura (Secult); Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e da SJDHDS, com objetivo de alcançar diversas obras do Estado, como escolas, obras do metrô, viadutos e encostas.
Marcos Prisk, grafiteiro e instrutor do projeto, acredita que o Mais Grafite ajuda a valorizar a cultura dos bairros e o sentimento de pertencimento dos jovens. “Ensinamos sobre a história das comunidades onde eles estudam e isso é importante para que eles se sintam filhos daquele lugar e tenham uma relação mais profunda”. A estudante Crislane Lima, de 19 anos,se surpreendeu com a oficina. “Vim aprender a grafitar, mas acabei aprendendo muito mais sobre a origem desse lugar. Muito bom”.
Poder da música
A atividade também contou com uma apresentação da Banda Sinfônica da Paz que integra o programa Neojibá. O grupo se apresentou sob a regência do maestro Esdras Efraim. Ele acredita que levar a música para a escola pública é uma oportunidade de democratizar a arte nas comunidades mais carentes. “É um momento de integração. A arte tem uma importância muito grande para esses jovens, abrindo caminhos e possibilidades para que eles possam ter melhores chances de conquistar seus objetivos”.
Projeto
Ao todo, 14 oficinas do projeto serão realizadas até o fim de 2017. A ação já passou pelos colégios estaduais Carlos Alberto Cerqueira, em São Caetano, e Cesare Casali, no bairro de Pirajá. O projeto ainda vai contar com uma segunda etapa, que está sendo planejada por um grupo de trabalho formado por técnicos das secretarias de Educação (SEC); Cultura (Secult); Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e da SJDHDS, com objetivo de alcançar diversas obras do Estado, como escolas, obras do metrô, viadutos e encostas.