Ciep: a ferramenta de Darcy Ribeiro para emancipar o povo

sexta-feira, 27 outubro, 2017

“O Ciep é a minha grande alegria, e é também o meu orgulho”. Assim, Darcy Ribeiro iniciava seu discurso em frente a uma das 500 unidades construídas por Leonel Brizola durante sua primeira gestão (1983-1987) do estado fluminense. A iniciativa pedetista dos Centros Integrados de Educação Pública representa, até o hoje, o maior projeto para o setor que o Brasil já teve.

Visionário, Darcy já indicava o caminho para emancipar o povo. “Ciep é a escola que o Brasil precisa!”, garantia. Esses “Brizolões”, como foram apelidados, buscavam oferecer ensino público de qualidade em período integral aos alunos da rede estadual. Além de refeições completas ao longo do dia, os alunos contavam com atividades complementares e atendimento médico e odontológico.

“O capitalismo fez escolas muito boas e eu quero obrigar o capitalismo daqui a fazer boas escolas aqui. No socialismo, eu vou querer muito mais. Agora, é o capitalismo que tem que dar a escola que eu estou querendo aqui e agora, para a criançada daqui e de agora”, indicava o ex-senador pelo PDT.

Por todo o Rio, é possível perceber a presença das obras desenhadas com o traço de Oscar Niemeyer. Inconfundíveis, os edifícios de concreto, emoldurados por grandes janelas retangulares e bordas arredondadas, são registros históricos de um pensamento que sempre estava à frente da sua realidade temporal.

O histórico bairro do Catete, na capital, que também sedia o palácio residencial o presidente Getúlio Vargas, foi escolhido para receber a primeira unidade. Inaugurado no dia 8 de maio de 1985, o Ciep Tancredo Neves, com seu simbolismo, agregava salas de leitura e de artesanato, uma quadra esportiva, consultórios médico e odontológico e até dormitórios para alunos em situação de vulnerabilidade social.

Realidade

“Se os governantes não construírem escolas, em 20 anos faltará dinheiro para construir presídios”, disse o mineiro, em uma conferência, em 1982. Atual e impactante, a frase retrata com clareza o resultado da destruição do projeto gerado pelos governos de direita subordinados à elite feudal não só do Rio de Janeiro, mas de todo o país.

Ao acabar com o principal pilar, o ensino integral, que foi substituído pelo formato de turno, o neoliberalismo angorá abriu as portas da marginalidade para gerações que incrementam as estatísticas criminais.

Os estados brasileiros gastam, em média, cerca de R$ 21 mil por ano com cada preso. Esse valor representa quase nove vezes mais do que é destinado para um aluno do ensino médio, que demanda R$ 2,3 mil no mesmo período.

Darcy, o eterno mestre, completa 95 anos

Hari Alexandre Brust25/10/2017

Nascido em Montes Claros, Minas Gerais, em 26 de outubro de 1922, o mestre Darcy Ribeiro, que veio para este mundo com o DNA da cultura e da educação, completa, nesta data, 95 anos.

Discípulo de Anísio Teixeira, nosso maior educador público, criador da escola pública do Brasil sob a égide, “Educação não é privilégio, educação é um direito”, o jovem Darcy formou-se em antropologia e, durante dez anos, 1946-1956, dedicou-se ao estudo dos índios do Brasil Central e da Amazônia. Como resultado dessa convivência publicou, em 1957, “Cultura e línguas indígenas do Brasil” e “Arte plumária dos índios Kaapor”, em 1962, “A política indigenista brasileira”, em 1970, “Os índios e a civilização”.

Pelo seu trabalho desenvolvido na educação e na antropologia, participou ativamente na criação da Universidade de Brasília na década de 1960, tornando-se seu primeiro reitor.

Pela sua destacada atuação na área da educação, na Capital Federal, foi convocado pelo presidente João Goulart, para o cargo de Ministro da Educação (1962) e, posteriormente, Chefe da Casa Civil até 31 de março de 1964.

O Golpe de 1964 contra o presidente João Goulart foi assim definido pelo mestre Darcy: “Jango não caiu pelos seus defeitos, foi derrubado palas suas qualidades”.

Com seus direitos políticos cassados, Darcy exilou-se no Uruguai, onde foi convidado para participar da reforma Universitária, além de outros países como Peru, Chile e Venezuela.

Com a promulgação da Lei da Anistia Política, em 1979, ao lado de outros exilados Darcy, juntamente com Brizola, retoma a caminhada política interrompida em 1964.

Nas eleições de 1982, Brizola foi eleito governador e Darcy seu vice, tendo sido responsável pela implantação dos Centros Integrados de Educação Pública (CIEP’s), um projeto inspirado no modelo da Escola Parque, implantada na Bahia, na década de 1950, por Anísio Teixeira. Esses Centros, além de ensino, assistiam as crianças em atividades recreativas, culturais e sociais.

Em seu livro, publicado em 1985, “Aos trancos e barrancos – como o Brasil deu no que deu”, Darcy do alto do seu conhecimento antropológico e social, há mais de 30 anos, já preconizava: “É indispensável impedir o passado de construir o futuro: quero dizer, tirar da gente que nos regeu e infelicitou através dos séculos o poder de continuar conformando – deformando nosso destino. É hora de lavar os olhos para ver nossa realidade. É hora e passar o Brasil a limpo, para que o povão tenha vez. No dia em que todo brasileiro comer todo dia, quando toda criança tiver um primeiro grau completo, quando cada homem e mulher encontrar um emprego estável em que possa progredir, se edificará aqui a civilização mais bela deste mundo. Se não cuidarmos deste país que é nosso, os gerentes das multi e seus servidores e sequazes civis e militares continuarão forçando o Brasil a existir para eles”.

Em 1986, Darcy concorreu, pelo PDT, às eleições de governador do Rio de Janeiro, tendo sido derrotado por Moreira Franco (o gato angorá apelidado por Brizola).

Convidado pelo Governo do Estado de São Paulo, para elaborar o projeto cultural para o Memorial da América Latina, projetado por Niemeyer, deu alma ao mais importante monumento cultural, político e social da América Latina, inaugurado em março de 1989.

Eleito Senador pelo Rio de Janeiro em 1990, não chegou a concluir seu mandato. Acometido por doença grave (câncer), o mestre passou para eternidade, em 17 de fevereiro de 1997. Durante sua convalescença, recolhido em sua casa de praia em Maricá – RJ, concluiu seu livro “O Povo Brasileiro”, em que aborda a formação do povo brasileiro. Num dos capítulos faz a seguinte observação: “Nas últimas décadas surgiu e se expandiu um corpo estranho em nossa cúpula social. É o estamento gerencial das empresas estrangeiras, que passou a construir o setor predominante das classes dominantes. Ele emprega os tecnocratas mais competentes e controla a mídia, conformando a opinião pública. Ele elege parlamentares e governantes. Ele manda, enfim, com desfaçatez cada vez mais desabrida!! (O Povo Brasileiro).

Com o retorno de Brizola ao governo do Estado do Rio (eleições 1990), Darcy é novamente convocado, agora para coordenar a implantação da Universidade Estadual do Norte Fluminense, na cidade de Campos. Esse estabelecimento de ensino superior, foi concebido fugindo dos padrões das Universidades convencionais, tendo seu projeto sido apresentado como a Universidade do Terceiro Milênio. No ano de 1993, data da sua fundação, recebeu o nome de Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Para imortaliza-lo, Darcy foi eleito para Academia Brasileira de Letras, em final de 1992, para a cadeira nº 11, cujo patrono é Fagundes Varela. Concluiu seu discurso de posse com o seguinte recado: “Estou certo de que alguém, neste resto de século, falará de mim, lendo uma página, página e meia. Os seguintes menos e menos. Só espero que nenhum falte ao sacro dever de enunciar meu nome. Nisto consistirá minha imortalidade”.

Darcy enriqueceu nossa cultura com dezenas de obras na área da educação, antropologia, etnologia, romances e ensaios, a Ele a nossa meia página.

 

*Hari Alexandre Brust é membro da Executiva Estadual do PDT, da Bahia.

http://www.pdt.org.br


Estudantes participam da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia na capital e no interior

sexta-feira, 27 outubro, 2017

 As escolas da rede estadual de ensino estão integradas às ações da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece em todo o pais até domingo (29), por meio da realização de mostras, feiras e exposições de projetos relacionados ao tema central “Matemática em toda parte”. Em Salvador, muitos estudantes participaram de palestras e exposições no Shopping Salvador, nesta sexta-feira (27). No Colégio Estadual Odorico Tavares, as atividades foram realizadas duarante toda a semana. Já no interior, em cidades como Itabuna, na região Sul, as ações foram promovidas de maneira integrada com os estudantes do Colégio Modelo, Colégios Estaduais Sesquicentenário (CISO), Félix Mendonça e Armando Freire e do Centro Integrado Oscar Marinho Falcão (CIOMF).
No Colégio Modelo de Itabuna, a 2ª edição da Feira de Ciência e Inovação teve a parceria da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). A programação, de 24 a 26, incluiu palestras, exposições de trabalhos científicos, apresentações de projetos, além do I Encontro de Xadrez. Um dos destaques foi a realização do I Simpósio de Jovens Cientistas dos Clubes de Ciências do Núcleo Territorial de Educação de Itabuna (NTE 05), através do programa Ciência na Escola, com oficinas ministradas por profissionais do Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Itabuna (CJCC) e da Faculdade de Ciência e Tecnologia (FTC).

Segundo a diretora do colégio, Edmailza Aboboreira, a feira visa a popularização da Ciência entre as pessoas através da divulgação da produção científica dos estudantes. “O intuito é fazer com que a Matemática deixe de ser um ‘bicho de sete cabeças’ para o aluno e fazer com que ele perceba que ela está em toda parte, desde a música até a construção de figuras geométricas”, ressalta a gestora.
A estudante Larissa Silva Santos, 15, 1º ano, fez uma performance de expressão corporal na feira e, também, participou das oficinas e palestras. “Este evento é muito importante para o desenvolvimento de todos os estudantes, porque além de mostrar o que produzimos, tivemos a oportunidade de aprender com outros alunos e profissionais convidados de várias áreas”, diz, entusiasmada.
Camila Ribeiro Rocha, 15, 1° ano, foi responsável por apresentar alguns jogos tecnológicos e de tabuleiro. “Mostramos que a Matemática pode ser ainda mais divertida através de jogos que estimulam o raciocínio lógico como o jogo de tabuleiro de estratégia chamado Ludo, o 2048, que é relacionado à soma e o Quiz Matemático, com perguntas e respostas rápidas sobre os conteúdos da disciplina”, informa a estudante.

Servidores são premiados pelas boas práticas no serviço público

sexta-feira, 27 outubro, 2017

A emoção marcou a entrega do Prêmio de Boas Práticas do Serviço Público, realizada na tarde desta quinta-feira (26), no auditório do COI – Centro de Operações e Inteligência de Segurança Pública 2 de Julho, no CAB. O servidor da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Bruno Gil de Carvalho Lima, de Salvador, recebeu o primeiro lugar da premiação e emocionou a platéia ao declarar o orgulho que sente em ser servidor público e por se esforçar em oferecer conforto e atenção aos cidadãos em momentos de dificuldade.
Autor da prática “Intervenção do Instituto Médico Legal Nina Rodrigues sobre a Demanda por Exames Necroscópicos de Mortes Naturais”, que acelera o procedimento evitando a necropisia tradicional nestes casos, Lima ressaltou a importância da sensibilidade no atendimento, relatando depoimentos de pessoas que buscaram o IML. “Tão importante quanto esse prêmio de hoje, esse reconhecimento a nossa instituição, foi esse adjetivo, de que sou amigo. Porque quando a pessoa está vulnerável e sofrendo, a gente não faz uma vitimização secundária, mas a gente tenta dar um tratamento diferenciado”.
O secretário da Administração, Edelvino Góes, parabenizou os premiados da tarde de hoje (26), ressaltando a importância de suas ações e também todos os servidores que inscreveram projetos em 2017. Ele ainda destacou os avanços do Governo da Bahia na política de recursos humanos do Estado. “Apesar de todas as dificuldades temos conseguido avanços importantes e esta premiação do dia de hoje é um reconhecimentos dos servidores públicos, com a Bahia retendo os seus talentos e contribuindo para que tenhamos uma máquina mais profissional”.
As demais iniciativas vencedoras, de segundo ao quinto lugar, são de autoria dos servidores Osenar dos Santos Silva, do Tribunal de Justiça da Bahia; Ludimila Santos Muniz, do Hospital Geral Roberto Santos; as servidoras da Superintendência de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Sudic), Maria do Carmo machado de Souza e Natalia Leoni, todos de Salvador; e Jocimar Caetano da Silva, da Embasa de Itamaraju.Ainda foram premiadas com menção honrosa os projetos de sexto ao décimo lugares, inscritos pelos servidores Uilma Santos Pesqueira, da Embasa de Juazeiro; João Felipe Oliveira de Menezes, do Tribunal de Justiça da Bahia, de Salvador; João Carlos de Pádua Andrade, da Universidade Estadual de Santa Cruz; Geisa Copello Thomaz, Simone Santana, Luz Marina Silva e Fernanda Costa, da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), em Salvador; e Hérlon Conceição Santos Lima, da Polícia Militar em Lauro de Freitas.
Instituído em 2007, o Prêmio de Boas Práticas tem como principal objetivo incentivar e valorizar práticas que contribuam para uma organização motivada, além de desenvolver um banco de talentos, que serão referências para o serviço público. São premiadas ações inovadoras, com resultados reconhecidos e comprovados, visando redução de custos e melhoria na qualidade dos serviços prestados à sociedade. A premiação é promovida pela Secretaria da Administração (Saeb), por meio da Diretoria de Valorização e Desenvolvimento de Pessoas (DDE/Saeb).
Banco de Boas Práticas – Além da entrega da premiação, o grande destaque da tarde de hoje é o Banco de Boas Práticas, espaço on-line destinado a apresentar todas as iniciativas inovadoras desenvolvidas pelos servidores estaduais baianos. O site poderá ser acessado por todos os servidores e cidadãos baianos pelo endereço http://www.inova.saeb.ba.gov.br a partir desta sexta-feira (27) e irá oferecer campo de consulta e cadastro de práticas.
Poderão ser inscritas ações que auxiliem o dia a dia dos servidores, aprimorando seus processos de trabalho. O próprio servidor que desenvolveu e implementou a ideia poderá criar seu cadastro e inscrever sua prática, que será submetida à validação da Superintendência de Gestão e Inovação (SGI) e da Assessoria de Planejamento e Gestão (APG) de seu órgão de origem.
O Banco de Boas Práticas já reúne, em seu lançamento, mais de 150 iniciativas cadastradas, entre elas os vencedores das oito primeiras edições do Prêmio de Boas Práticas. Participaram da entrega do Prêmio de Boas Práticas servidores do Executivo Estadual, além dos poderes Legislativo e Judiciário, tribunais de Contas do Estado e do Município, Ministério Público da Bahia e Defensoria Pública da Bahia.