Veja o que as escolas da rede estadual prepararam para o Novembro Negro

segunda-feira, 6 novembro, 2017

 

 

Para celebrar o dia da Consciência Negra (20), as escolas da rede estadual promovem uma série de atividades alusivas ao Novembro Negro. Ações institucionais também serão realizadas pela Secretaria da Educação. Na programação, questões como o enfrentamento ao racismo, intolerância religiosa, respeito à diversidade, valorização da identidade negra e a aplicação da Lei 10.639/03, que torna o estudo sobre a “História e Cultura Afro-Brasileira” obrigatório no currículo oficial da rede de ensino.

Nesta quarta-feira (1/11), abrindo a programação do mês, o Colégio Modelo de Bom Jesus da Lapa, a 796 Km de Salvador, no Oeste, realiza seminário de abertura do projeto “Nordeste Negro: Empoderamento, fortalecimento e garantias de direitos”, com participação dos professores, estudantes, comunidades quilombolas, convidados das universidades locais.

Na capital, uma das atividades que será realizada é o VI Encontro de Educação para a Diversidade – Educação, alteridade e transformação. Uma vasta programação, entre palestras e mesas redondas sobre temas como “Educando para a diversidade no campo” e “Educando para as relações de gênero e sexualidade”, além de apresentações culturais, acontece durante os dias 9 e 10, no auditório do órgão central.

Ainda em Salvador, o Colégio Estadual Duque de Caxias, no bairro Liberdade, promove, o Festival da pimenta, Feira dos municípios, palestras, oficinas, exibição de filmes, sarau e atividades esportivas. Ações usadas como instrumentos para o debate sobre questões como gênero e raça. “Estamos preparando uma programação bem diversificada, para todos os gostos e turnos, porque temos, nos três turnos públicos diferentes. Vamos falar sobre os municípios baianos, a inserção do negro no mercado de trabalho, a saúde da população negra, realizar oficinas de informática, maquiagem entre outras. Além de atendimentos na área de saúde para os alunos da instituição. Nossas atividades começam dia 08 e seguem até dia 24”, conclui a diretora da unidade Eliete Silva.

No Distrito de Santiago do Iguape, em Cachoeira, a 110Km de Salvador, no Recôncavo, as atividades do Colégio Estadual Eraldo Tinoco, acontecem de 22 a 24. Os estudantes e a comunidade local participam de palestras, de momento cultural com apresentações de atividades artísticas e de oficinas de musicalidade.

Já o Colégio Estadual Alaor Coutinho, em Praia do Forte, no município Mata de São João, na região metropolitana, realiza, no dia 20, a inauguração da biblioteca doada pelo Grupo CCR Metrô Bahia. Dia 23, a comunidade escolar participa do diálogo com a escritora Cristiane Sobral, mediado pela professora Deyse Sacramento, do Projeto Diálogos Insubmissos de mulheres negras, da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e no dia 25 a Feira das hortas escolares – resgate de técnicas tradicionais de plantio, com a participação dos estudantes dos Colégios Estaduais de Porto de Sauípe e de Barra do Pojuca.

Outras atividades:
– No Colégio Estadual Edvaldo Brandão Correia, em Cajazeiras IV, acontece, no dia 16, a roda de conversa sobre o Novembro Negro, durante a 1ª Semana da Diversidade, contra homofobia.

– Nos dias 16 e 17 o Colégio Aristides de Sousa, em Plataforma, será realizada a mesa redonda “Educar para Diversidade”.

– Em Camaçari, a comunidade escolar do Colégio Estadual PHOC, participa, no dia 20, da palestra sobre “Consciência Negra na Escola”.

http://institucional.educacao.ba.gov.br/node/26922


Estudantes participam com otimismo da primeira etapa de provas do ENEM

segunda-feira, 6 novembro, 2017

Foto: Claudionor Jr. – Ascom/Educação

 

Os estudantes da rede estadual fizeram, neste domingo (5), as primeiras provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), concorrendo com um total de 6.731.202 milhões de inscritos em todo o país, sendo destes 490.233 inscritos na Bahia, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), responsável pela aplicação do exame. Os alunos da rede, que se prepararam durante todo o ano letivo para alcançar uma pontuação favorável ao seu ingresso no Ensino Superior, demonstraram confiança mas, ao mesmo tempo, não esconderam a ansiedade. Como este ano a aplicação das provas se dará em dois domingos consecutivos (extinguindo o sábado), os estudantes voltam a fazer provas do ENEM no dia 12/11.
A Secretaria organizou uma logística de transporte escolar para garantir o deslocamento dos estudantes que não moram em cidades onde foram realizadas as provas, para garantir a participação no Enem. Neste domingo, foram aplicadas as provas de Linguagens, Ciências Humanas e Redação,  com tempo de duração de 5h30 para os candidatos realizarem. Já no dia 12, serão as provas de Matemática e Ciências da Natureza, com duração de 4h30. Para a estudante  Nicole Azevedo, 18, que concluiu o 3º ano do Ensino Médio este ano, no Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, na Paralela, o primeiro dia do ENEM corresponde às áreas com as quais tem mais facilidade: História e Geografia. “Estou ansiosa, mas muito esperançosa em cursar uma faculdade de Gastronomia, que é o meu sonho. Não sou muito boa em Matemática, mas espero que no próximo domingo eu me saia bem o suficiente para alcançar os pontos necessários”, contou a aluna, que fez a prova do ENEM no Colégio Estadual Helena Mateus, em São Cristovão.
A estudante Ludmila Santos, 17, também ex-aluna do Colégio Aplicação, onde finalizou, este ano, o 3º ano do Ensino Médio, cumpriu, neste domingo, a primeira etapa do ENEM no Colégio Estadual Maurício de Nassau, em Lauro de Freitas. “Estou pleiteando uma vaga na área da Saúde: Fisioterapia ou Odontologia. Como o meu forte é Geografia e História, além de Biologia, penso que me dei bem nas provas de hoje. Minha preocupação é com Matemática, no próximo domingo. Mas estou acreditando que terei chances”, revelou.
Este ano, o Ministério da Educação (MEC) decidiu personalizar os cadernos de prova do Enem com o nome completo do candidato e o seu número de inscrição, junto com o respectivo cartão-resposta, visando aumentar a segurança do exame. Os estudantes, em geral, aprovaram a mudança. “Eu achei uma ótima ideia porque haverá um maior controle dos organizadores do ENEM, evitando fraudes ou extravios de cadernos de prova”, opinou Nicole Azevedo. A colega Ludmila Santos também considerou positiva a ação: “Muito boa a iniciativa porque, além de evitar roubos, o candidato não corre o risco de rasurar o cartão ao escrever o seu nome. Uma preocupação a menos para quem já está ali no limite da ansiedade”.