‘Bloomberg’: Mercado aposta alto em candidato brasileiro que ainda não existe

quinta-feira, 9 novembro, 2017
Analista político da Eurásia não está convencido de que populismo se espalhará

O analista político da Eurásia não está convencido de que o populismo se espalhará.

Bloomberg: “Pergunte à elite do mercado de ações de São Paulo quem vai ganhar as próximas eleições presidenciais do Brasil e eles dirão, com as mãos para baixo, será alguém que aprove as reformas fiscais e privatização”.

Sabe qual o único problema? Esse candidato ainda não emergiu.

Embora não seja nenhuma surpresa que os envolvidos nos mercados financeiros tenham uma lista de desejos elevados para o próximo chefe de Estado do Brasil, o que se destaca desta vez é como os banqueiros sênior confiantes parecem ter certeza de que um candidato  do mundo dos negócios não só irá dar um passo adiante nos próximos meses – mas realmente vencer as eleições no próximo outubro.

Banqueiros parecem ter certeza de que um candidato  do mundo dos negócios não só irá dar um passo adiante nos próximos meses
Banqueiros parecem ter certeza de que um candidato  do mundo dos negócios não só irá dar um passo adiante nos próximos meses

Se eles estiverem errados, o mercado de ações do Brasil poderia entrar em queda. Todos os banqueiros seniores, em longas conversas durante uma semana no final do mês passado, disseram que os preços dos títulos agora próximos de níveis recordes refletem a perspectiva de que o país estenderá uma recuperação no próximo ano, reforçando o argumento de um candidato de centro-direita para realizar reformas que estão aumentando a confiança dos investidores. Eles pediram para não serem identificados em uma nação onde os altos executivos muitas vezes se esquivam de falar publicamente sobre dinheiro e política.

Se o seu otimismo se torna presciente ou ingênuo, uma coisa é certa: 2018 está se configurando para ser um ponto de inflexão na democracia brasileira de três décadas. Os candidatos vieram de todos os cantos do espectro político para competir nas eleições do próximo ano, encorajados por dois anos de recessão e escândalo que levaram ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e quase derrubaram seu sucessor.

Enquanto as opções na balcão podem ser muitas, os banqueiros dizem que vêem apenas duas escolhas reais: os eleitores se manterão com as políticas de esquerda das últimas décadas que alimentaram um boom antes de colapsar em um enorme escândalo de corrupção e a pior recessão registrada? Ou eles virarão direito – nem todo o caminho, mas o suficiente – para manter o curso sobre reforma de pensões, privatizações e revisões regulatórias em meio a uma recuperação incipiente?

Os investidores que megociam ações locais e títulos do governo parecem pensar que já possuem a resposta. O entusiasmo deles ajudou o índice de referência Ibovespa a aumentar 21 por cento este ano, levando as empresas a emitir 3,5 vezes mais ações novas que no ano passado. Fusões e aquisições subiram 32% em relação ao mesmo período do ano anterior, dados compilados pelo programa Bloomberg.

Até agora, os candidatos na corrida não garantem otimismo, diz João Augusto de Castro Neves, diretor da Eurasia Group para a América Latina.

“Pensamento desejoso”

“A visão de que há uma chance muito alta que um candidato de centro-direita vai ganhar é um pouco exagerada”, disse ele. “Você pode argumentar que a esquerda será menos competitiva, mas há algum grau de desejo de que um candidato amigável ao mercado vencerá”.

Ao invés do candidato mítico que os banqueiros esperam, Castro Neves diz que há uma chance de populismo – da esquerda ou da direita, ou ambos – influenciará o resultado das eleições. Inquéritos recentes confirmam isso.

O antecessor de Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, que continua sendo eleitor favorito apesar da sua recente condenação pela corrupção, liderou a última pesquisa realizada pelo Ibope em 30 de outubro, obtendo 38% dos votos prováveis. Jair Bolsonaro, um ex-capitão do exército que foi chamado de “Donald Trump do Brasil”, ficou em segundo lugar com cerca de 13 por cento. Dez outros potenciais candidatos – desde o empresário e prefeito de São Paulo Joao Doria, até Luciano Huck, um popular apresentador de televisão – obtiveram menos de 8%.

Muito está em jogo. Após oito trimestres diretos de recessão que rasparam mais de 7% do PIB, a economia brasileira começou a crescer de novo no período de janeiro a março. A perspectiva do desemprego continuar a cair, também, após superar cerca de 13,7 por cento em março. Enquanto isso, a taxa de juros de referência é quase a metade do que era há um ano.

>> Bloomberg


Novembro Negro mobiliza estudantes em Salvador em torno de ações afirmativas

quinta-feira, 9 novembro, 2017

Fotos: Claudionor Jr. – Ascom/Educação

 

Na cidade com a maior população negra do país, a chegada do mês de novembro, que marca o Dia da Consciência Negra (20), representa um movimento ainda mais especial para a realização de ações afirmativas e de valorização e respeito às origens e à identidade étnico-racial. Nas escolas, os estudantes abordam a questão de várias maneiras, seja por meio de gincanas, debates, palestras, mesas redondas, desfiles ou apresentações de projetos que são desenvolvidos ao longo do ano letivo.

No Colégio Estadual Bolivar Santana, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), está sendo realizada, nestas quarta e quinta-feira (8 e 9), a gincana “Bolivar de toda cor: viver com igualdade é saber respeitar as diferenças”. No Colégio Estadual Costa e Silva, no bairro da Ribeira, os estudantes também celebram o Novembro Negro com diversas atividades, a exemplo de desfile sobre indumentárias africanas e apresentações culturais alusivas ao tema, com a presença da coordenadora da Educação para a Diversidade da Secretaria da Educação do Estado, Erica Capinan.

Para a organizadora do projeto e professora de Humanas do Bolivar Santana, Maria das Graças Moura, a gincana serve para tratar do assunto de forma lúdica e envolver a comunidade escolar. “Nossa gincana tem por finalidade trazer a memória e resgatar toda a contribuição que o negro deu para a nossa sociedade, principalmente aqui na Bahia, onde nós somos formados por uma população de maioria negra. Com essa atividade, buscamos valorizar a cultura e a contribuição do negro  para a formação do nosso povo, da nossa economia e da nossa identidade”, explica.

O estudante José Italo Tavares, 17, 2º ano do Ensino Médio do Bolivar, integrante da equipe Rosa, pesquisou e apresentou, junto com seus colegas, curiosidades sobre o Benin, país da Costa Africana. De acordo com o estudante, essa é mais uma forma de lutar por igualdade. “Essa atividade busca resgatar e fazer a manutenção da cultura africana em nossa comunidade e em nosso país. A consciência negra deve ser nos 365 dias no ano, não só um dia, para buscarmos mais a igualdade, que é uma das principais lutas do povo negro”, comenta.

Animada, a integrante da equipe Tiger, Ingrid Ramos dos Santos, 15, 1º, explica sobre as tarefas já realizadas e a motivação para o nome do grupo. “Acabamos de apresentar a paródia “Acorda pra vida”, abordando a escravidão. Precisamos nos respeitar e nos amar acima de tudo e escolhemos o nome Tigre para a nossa equipe porque representa força. É isto que estamos querendo passar, força e união do nosso grupo”, relata.

Já Giovana Magalhães da Silva, 17, 1º, da equipe Abuja, que faz referência à capital da Nigéria, conta que gostou de ficar informada sobre a cultura nigeriana. “É sempre bom aprender, e quando se estuda sobre um país ou até o continente que conta a minha história e a história do meu povo, é muito melhor e mais interessante. Estamos muito animados e realizando as provas com perfeição. Espero que a equipe Abuja seja vencedora”, comemora.

Programação 
Uma ampla programação acontecerá até o final do mês nas escolas estaduais da capital e do interior. Dentre as ações para esta quinta-feira (9) está o IV Encontro de Educação para a Diversidade: Educação, alteridade e transformação, das 8h às 16h, no auditório da Secretaria da Educação do Estado, no CAB.