Diretor do Instituto Anísio Teixeira se despede dos funcionários

quinta-feira, 5 abril, 2018

Prestes a deixar o cargo, o diretor geral do Instituto Anísio Teixeira – IAT, Professor Desiderio Bispo de Melo, se despediu na manhã desta quinta-feira (05) dos funcionários do órgão. Professor Desiderio, como é mais conhecido, pediu desligamento para obedecer à lei eleitoral, já que pleiteia uma candidatura ao Senado pelo PDT-BA.

Em tom de despedida, o diretor fez uma narrativa sobre a sua trajetória e um balanço dos trabalhos desenvolvidos junto ao IAT, agradecendo a colaboração de todos. “Nós procuramos fazer um trabalho com os pés no chão, buscando recuperar a imagem do Instituto e resgatar os seus objetivos. Acreditamos que isso foi conseguido, por isso gostaria de agradecer a todos pela colaboração durante esses 11 meses da nossa administração”, pontuou.

Desiderio também falou da sua trajetória de vida, destacou o seu trabalho na educação e vislumbrou lutas futuras. “Nós temos uma história que começou lá atrás, na Embasa, quando entramos como mensageiro, depois fomos aprovados em concurso da antiga Embratel e, a partir de 1998, decidimos fazer uma opção e nos dedicar integralmente à educação”, relatou.

Professor Desiderio aproveitou a oportunidade também para falar das lutas e conquistas em sua vida, e atrelou isso a uma missão futura, que é a de levar adiante sua pré-candidatura ao Senado, lançada na última segunda-feira (02), motivo pelo qual está se afastando da direção do IAT, mostrando o seu desprendimento. “Estamos partindo para uma nova luta, porque entendemos que só assim conseguiremos fazer as mudanças que precisamos. Todos nós temos direito de votar, mas também de sermos votados. Por isso, assumo esse desafio, mas sabemos que não será fácil, porque toda transformação tem que haver enfrentamento”, disse.

Despedida e emoção

Antes de Desiderio, o diretor de Formação do IAT, Danilo Baqueiro, também usou da palavra. “Queria agradecer pela confiança e dizer que durante esses 11 meses eu aprendi muito com você. Por isso, só tenho que agradecer por esta convivência e afirmar que isso não é uma despedida, porque estaremos sempre ao seu lado, nas suas lutas futuras”, disse Danilo.

Secretária no IAT e colega no curso de Direito, Cheilla Reis se despediu do diretor quase aos prantos. “Não gosto de despedida e me cortou o coração quando vi ele arrumando as suas coisas. Eu sei que ele vai para uma nova missão, mas para mim, principalmente, é difícil de encarar”, disse Cheilla antes do evento de despedida. “Agradeço muito por ter me dado esta oportunidade, pois aprendi muito com o senhor, não só aqui como na CBPM”, acrescentou  Adriane Silva, também secretaria da direção.

Usaram da palavra para se despedir e agradecer ao diretor geral do IAT também os coordenadores Alderico Sena, José Renato Gomes, Maria de Lourdes e Evandro Matos, além dos funcionários Gilmar Cardoso, Roberto Rodrigues e Jeferson Almeida.


Festival de contação de histórias reúne estudantes e educadores

quinta-feira, 5 abril, 2018

Para comemorar o mês do livro infantil, estudantes, escritores e educadores participam do 1º Festival de Contação de História nesta quarta-feira (4), na Biblioteca Central dos Barris, em Salvador. O objetivo do evento é promover o debate com a comunidade sobre o papel e a importância da narração de contos e casos e como ela pode ser utilizada na formação cognitiva e educacional de crianças e adolescentes.
Promovido pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), por meio da Fundação Pedro Calmon (FPC), o festival promove uma série de atividades ao longo do dia. Uma das palestrantes convidadas, a contadora de histórias Selma Guilera, acredita que a contação é uma atividade terapêutica que educa, desenvolve e aponta caminho para as pessoas. “Contar histórias faz parte da vida de todos. É uma atividade intrínseca à formação de qualquer ser humano, que serve como uma ponte para que crianças e estudantes aprendam enquanto se divertem e se aventurem de forma independente na leitura”, afirma Selma.
 
O estudante Carlos Costa, 14 anos, lembra como as histórias que ouviu quando pequeno foram responsáveis por despertar o interesse pelo mundo da literatura e o fascínio pelas palavras. “Eu acho que abre portais em nossas mentes. A gente aprende a entrar num universo fantástico e se deixar levar. Lembro que comecei a ler mais, me interessar mais na escola e querer aprender coisas novas. É algo extremamente importante para toda criança”.
O evento faz parte do Projeto Abril do Livro Infantil, realizado em todas as bibliotecas que integram o sistema coordenado pela FPC. “Queremos comemorar e promover rodadas de contação em todos os nossos espaços durante todo o mês. Trouxemos convidados, parceiros externos e professores especialistas em literatura infantil. Esse é também um momento de formação, porque estamos oferecendo palestras de capacitação. Convidamos escolas para participarem com a gente dessa celebração”, destaca a diretora do Sistema de Bibliotecas da Bahia, Carmen Azevedo.
 
Essa primeira edição do festival homenageia a escritora Betty Coelho, uma das pioneiras da contação de histórias na Bahia. A programação completa do Abril do Livro Infantil pode ser conferida no site da Fundação Pedro Calmon.

Por 6 votos a 5, ministros do STF negam habeas corpus preventivo a Lula

quinta-feira, 5 abril, 2018

Jornal do Brasil

Em julho do ano passado, Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses de prisão. Em janeiro deste ano, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) aumentou a pena para 12 anos e um mês na ação penal do triplex do Guarujá (SP), na Operação Lava Jato.

Com a decisão, Lula perde direito ao salvo-conduto que foi concedido a ele pela Corte no dia 22 de março e impedia sua eventual prisão. Dessa forma, o juiz federal Sérgio Moro poderia determinar a prisão imediata do ex-presidente, no entanto, a medida não é automática, porque ainda está pendente de mais um recurso na segunda instância da Justiça Federal.

Com a decisão, Lula perde direito ao salvo-conduto que foi concedido a ele pela Corte no dia 22 de março e impedia sua eventual prisão
Com a decisão, Lula perde direito ao salvo-conduto que foi concedido a ele pela Corte no dia 22 de março e impedia sua eventual prisão

Em casos semelhantes na Lava Jato, o juiz determinou a prisão sem esperar comunicação do tribunal. Em outros, aguardou a deliberação dos desembargadores.

No dia 26 de março, a Oitava Turma do TRF4 negou os primeiros embargos contra a condenação e manteve a condenação de Lula, no entanto, abriu prazo para notificação da decisão até  8 de abril, fato que permite a apresentação de um novo embargo. Para que a condenação seja executada, o tribunal deve julgar os recursos e considera-lós protelatórios, autorizando Moro, titular da 13ª Vara Federal em Curitiba, responsável pela primeira sentença de Lula, assine o mandado de prisão.

Votaram contra a concessão do habeas corpus o relator, Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e a presidente, Cármen Lúcia. Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello se manifestaram contra por entenderem que a prisão só pode ocorrer após o fim de todos os recursos na própria Corte.