PDT mantém pleito por vaga ao Senado, mas admite dificuldade

[PDT mantém pleito por vaga ao Senado, mas admite dificuldade ]

Por: Divulgação/PDT Por: Guilherme Reis

Embora ainda não anunciada publicamente, a chapa majoritária do governador Rui Costa (PT) está praticamente definida, com o PP (João Leão) na vice e o PSD (Angelo Coronel) e o PT (Jaques Wagner) nas duas vagas para disputar o Senado. No entanto, enquanto a confirmação não sai, outros partidos da base aliada continuam a pleitear um lugar na composição, e o PDT é um deles, bem como o PCdoB e o PSB – sendo que este é o que ainda parece demonstrar uma real esperança de concretizar seu objetivo.

No início do mês, o PDT lançou o professor Desidério Melo, membro histórico da legenda, como pré-candidato à Casa Alta do Congresso, ao mesmo tempo que declarou apoio ao presidente da Assembleia Legislativa, Angelo Coronel (PSD), para a outra vaga. “Colocamos o nome do professor Desidério. Mas, caso não consigamos, vamos avaliar, com a executiva nacional, a possibilidade de uma candidatura avulsa”, disse o presidente do PDT na Bahia, deputado federal Félix Mendonça Jr., admitindo que será ‘difícil’ conseguir emplacar o correligionário.

A candidatura de Desidério, além de servir para marcar território, também poderá ser útil no sentido de criar um palanque na Bahia para o pré-candidato à presidência da República Ciro Gomes (PDT).

Félix também comentou o apoio do prefeito de Euclides da Cunha, Luciano Pinheiro (PDT), à reeleição de Rui. Segundo o pedetista, o gestor procurou o governador uma semana antes de o prefeito ACM Neto (DEM) anunciar que não disputaria o Palácio de Ondina. “O apoio já existia, e foi retificado agora”, pontuou.

Bocão News

Nosso comentário

Oportuna a fala do presidente do PDT, Felix Mendonça. Diante de um cenário nacional conturbado e um cenário regional contaminado pelo “já ganhou”, sempre é bem vindo o comedimento e a lucidez. Para se entender Mendonça, é necessário compreender o dilema pedetista que mesmo tendo o melhor candidato a presidente do Brasil, do centro esquerda, ( num cenário sem lula) não conseguiu ainda atrair uma coligação satisfatória. O PDT não é um partido grande e precisa fazer deputados federais para fugir da clausula de Barreira que reduz o fundo partidário e o tempo de propaganda eleitoral e pode levar a extinção de legendas.

Para entender Mendonça é preciso ter claro que, sendo a Bahia o quarto colégio eleitoral, Ciro gomes precisa vencer aqui ou na pior das hipóteses ficar em segundo lugar. Se não tiver palanque na Bahia, não chegará ao segundo turno. 

A candidatura do professor está mantida, poderá sair como candidatura solo como disse Felix Mendonça. Mas poderá ser tirada sim, desde de que as forças políticas progressistas sejam capazes de construir uma alternativa que seja boa para todos nós. (Prof. Desiderio)

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.