Bahia: das mudanças lentas as transformações possíveis (Parte XIII)

ELEIÇÃO DA CONSTITUINTE BAIANA E DO GOVERNADOR OTÁVIO MANGABEIRA

 

Promulgada a Constituição, e juntamente com ela o ato das disposições Transitórias, em respeito ao que determinava o artigo 11, foram convocadas eleições Assembleias constituintes e  estaduais, governadores dos estados, senadores e deputados federais em número que completasse as bancadas dos estados na Câmara e ao Senado Federal. A Bahia elegeria sessenta deputados constituintes, o governador constitucional, um terceiro senador e mais um deputado federal. Marcadas para 120 dias após a promulgação da Constituição, essas eleições foram realizadas a 19 de janeiro de 1947.

A Bahia conheceu três interventores federais antes dessas eleições. O primeiro, foi o ministro João Vicente Bulcão Viana, baiano de São Francisco do Conde e radicado no Rio de Janeiro, onde exerceu os cargos de auditor da Marinha, procurador geral da Justiça Militar e ministro do Supremo Tribunal Militar, com honras de general. Estava na reserva quando foi nomeado pelo presidente José Linhares interventor federal na Bahia, conforme o esquema do “governo dos magistrados”. Governou de 8 de novembro de 1945 a 19 de fevereiro de 1946. Seguiu-se a ele o antigo deputado classista Guilherme Carneiro da Rocha marback, Tabelião de notas do 4º Ofício, professor do ensino superior, político e deputado eleito para a Constituinte. Não cumpriu o mandato legislativo para aceitar a nomeação de interventor federal feita pelo presidente Eurico Gaspar Dutra. Era membro do Diretório do PSD baiano, mas lutas internas nesse partido encurtaram sua interventoria. Ficou de 20 de fevereiro a 26 de julho de 1946, e foi substituído pelo comande da 6ª RM, general Cândido Caldas. Seria mais um indicativo da distância que o presidente Dutra estabelecia para os políticos e, antes que aos políticos, aos partidos, preferindo governar com o dispositivo militar.

A Constituição de 18 de setembro estabeleceu uma nova realidade institucional e política, as eleições marcadas para governador do estado e deputados estaduais constituintes. Elas continuariam o processo de construção do estado democrático no país, razão maior para que os partidos apresentassem os seus candidatos no prazo legal estabelecido. Dividido entre a facção do ex-interventor Guilherme e Marback e a do senador, ex-interventor e general Renato Onofre Pinto Aleixo, o PSD baiano abriu a questão da candidatura ao governo do estado da Bahia com as declarações do senador Pinto Aleixo e do Deputado federal Tarcílo Viera de Melo favoráveis ao candidato que a UDN indicasse, fosse ele o deputado federal e coronel Juracy Magalhães ou o presidente nacional da UDN, o velho político e deputado federal Otávio Mangabeira. Havia nisso hábil manobra política. Surpreendido com a iniciativa daqueles até aí considerados herdeiros do Estado Novo e adversários naturais da UDN e dos Udenistas, Juracy Magalhães dispensou a sua candidatura e apoiou Otávio Mangabeira. Era o que os pessedistas queriam.

O candidato do PTB foi o antigo político severinista dos anos 20 e, após a revolução de 1930, juracisista, Antônio Garcia de Medeiros Neto. Embora fosse estreitamente ligado a Juracy Magalhães na Interventoria e no seu governo constitucional, dele se afastou ao aderir ao golpe de 10 de novembro e tornar-se alto funcionário do Estado Novo. Nos discursos de campanha, defendeu o ex-presidente Getúlio Vargas das acusações que os udenistas lhe faziam e exaltou a legislação trabalhista que o ditador criara.

Realizadas as eleições a 19 de janeiro, Otávio Mangabeira foi eleito governador 211.121 votos, contra 92.629 dados ao candidato do PTB, Medeiros Neto, que todavia venceu na capital do estado: Medeiros Neto, 28.823; Mangabeira, 21. 596. Pela legenda PSD foi eleito senador Antônio Pereira Moacir. Para a vaga a Câmara Federal, outro pessedista, João Pacheco de Oliveira. Também foram eleitos os sessenta deputados que compuseram a Assembleia Legislativa com função constituinte em 1947. Diplomados a 29 de março e empossados a 7 de abril, for maram a seguinte bancadas:

UDN, 27 deputados da coligação Democrática Autonomista;

PSD; 20 deputados;

PTB, 07 deputados;

PR, 03 deputados;

PCB, 02 deputados, e;

PRP, um deputado.

foto google: Otávio Mangabeira, político baiano, deputado, constitucionaliata, governador, ministro de Estado e senador: o incorruptível

 

 

Fonte bibliográfica

Luís Henrique Dias Tavares, em Histórias da Bahia, salvador: editora UNESP, 2006.

Não deixe de ler a Parte XIII, continuação ( publicação no sábado (04/07/2018). Aqui no Blog do Prof. Desiderio

 

BAHIA:  Ciro Gomes participa do Desfile do 2 de Julho

Pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes acompanhará a programação do 2 de Julho em Salvador. Viajando por todo o país para participar de eventos, palestras, debates e entrevistas diversas, Ciro fez questão de acompanhar os festejos da grande data cívica da Bahia. Às 7h, estará disponível para entrevistas à imprensa, na famosa Praça da Soledade.

http://www.correiofeirense.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.