“Assim como me sinto em casa no DEM, me sinto no PDT”, diz Prates após Félix afirmar que meta é trazê-lo como candidato a prefeito

domingo, 4 agosto, 2019

Foto: Arquivo

Para Prates, Salvador avançou ‘imensamente’ e não pode correr o risco de retroceder

O secretário municipal de Saúde, Leo Prates (DEM), após o PDT abrir as portas do partido para ele e, nesta sexta-feira (2), o presidente estadual da legenda, deputado federal Félix Mendonça Júnior, afirmar que meta do partido é trazê-lo como candidato à prefeito de Salvador em 2020, desejo que Prates não esconde, o aliado do prefeito ACM Neto (DEM) reafirmou está construindo pontes e ainda, que assim como se sente em casa no Democratas se sente no Partido Democrático Trabalhista. Mais além, Prates arrematou que Salvador avançou ‘imensamente’ e não pode correr o risco de retroceder.

“Félix é um grande amigo, tenho uma ligação muito forte com ele e estou construindo pontes. Nesse momento não estou pensando em eleição, mas sim em construir uma agenda para Salvador e estamos tendo sim, uma série de debates neste sentido. Portanto, o convite, esse desejo dele, é fruto natural dessa relação”, minimizou, para completar em seguida que: ”Salvador avançou imensamente e não pode correr o risco de haver retrocessos, por isso debater o seu futuro é tão importante e o PDT também tem papel fundamental nesse processo, sigla em que só tenho amigos. E, assim como me sinto em casa no DEM, me sinto no PDT”.

Prates, que é deputado estadual licenciado, ainda reforçou que a irmã de Félix, Andrea Mendonça, o deu, no início do meu mandato, régua e compasso para aprender a legislar. “E até herdei a chefe de gabinete dela [Laura Gordilho], bem como divido com ela e com Carlos Amorim, o mérito de Salvador ter Lei do Tombamento hoje”, complementou.

O PDT hoje integra a base do governador Rui Costa (PT), mas já se especula que tais movimentações de Prates teriam o aval do prefeito, que quer ter outras cartas na manga caso sua primeira opção para sucedê-lo, o vice-prefeito Bruno Reis (DEM), não vingue. Aliado a isso, existe a possibilidade de o secretário ser alçado ao posto de vice na chapa e, estando ele no PDT, implicaria na migração do partido para a base oposicionista. A possibilidade, no entanto, foi negada por Félix. Enquanto o gestor da Saúde, disse a esse Política Livre, que apenas Félix Mendonça pode falar sobre o futuro política da sigla.

Política Livre

NOSSO COMENTÁRIO.

Para mim fica claro que Léo Prates é flexível. De resto, se Brust, presidente municipal do PDT, quiser explicar garanto que fico confuso.