Protestos contra Bolsonaro na Embaixada do Brasil em Londres

Embaixada brasileira no país não se manifestou sobre o caso

Ativistas do clima têm se concentrado contra a floresta amazônica e o que é chamado de violência contra os povos indígenas que vivem lá.

Dois ativistas de extinção Rebelião submeteu-se a uma janela de vidro na entrada do prédio, e outros dois se colaram às janelas.

As palavras-chave e as letras podem ser vistas por toda a fachada, assim como os slogans que dizemiam “Sangue indígena: uma gota a mais” e “pela floresta”.

O Extinction Rebellion, que tumultuou a region central de Londres por causa dos direitos humanos e sancionados pelo estado e ecocídio.

O grupo acrescentou que o protesto foi organizado para coincidir com uma marcha de mulheres indígenas no Brasil em junho, em Portugal, na França, na Suíça e na Espanha.

A embaixada brasileira em Londres não foi contactada de imediato para comentar.

Reféns da perplexidade

WILSON CID, wilson.cid@jb.com.br

Fato é que o segundo semestre avança furioso sobre o estoque de perplexidades a que o país está condenado, sem que saiba exatamente quando delas poderá se livrar, mesmo parcialmente. Disso resulta um clima de sobressaltos e de dúvidas sobre o que o brasileiro terá de ouvir na manhã seguinte. É, por exemplo, a sensação de quem vai ao telejornal e vê o comunicado da Vale, que passou agora a monitorar suas represas, o que há muito devia ser feito, evitando o crime de Brumadinho, que ela insiste em definir como um acidente, que custou a vida de duas centenas de pessoas. E ninguém preso. Incrível.

Num salto sobre o mapa, chega-se a Altamira, onde se assistiu, com pavoroso banho de sangue, à repetição de um descuido do sistema penitenciário, que espera a repetição de massacres para saber que gangues do crime organizado não podem viver sob o mesmo teto, porque não sabem conviver. Para separá-las nem dispensável esperar os choques mortais. Não é menor o espanto de quem vai às redes sociais, onde não falta quem vê apenas uma excelente solução aritmética na chacina paraense: menos seis dezenas de criminosos eliminados. Bandido bom é sempre bandido morto? As sentenças prolatadas contra esses agentes do crime, conhecida sua periculosidade aliada à fiação a falanges sanguinárias já deviam definir a separação, sem permitir que a medida preventiva fique ao sabor de um sistema prisional que prima por muitas deficiências.

Se o voo dos perplexos faz parada em Brasília, chega aos ouvidos de uma população que nem pode dar conta de seus espantos, o relatório sobre o volume de obras mal iniciadas e abandonadas – 7.200 -, depois de constituírem um monumento ao desperdício do dinheiro dos contribuintes. O horror é ainda maior, porque não se fala em convocar os responsáveis pelo desleixo, como se o que praticaram ficou nos limites de mera traquinagem.

Espantemo-nos. Nossos tribunais, guardiães da Justiça, mandam parricidas deixarem a cela no segundo domingo de agosto para visita sentimental ao túmulo do pai que mataram. Há antecedentes dessa estranha inversão de amor filial, mas nem por isso a repetida liberalidade deixa de indignar por conter um certo conteúdo de hipocrisia.

Liberalidades, portanto, já não surpreendem excessivamente. Outra, que é desta semana, não seria capaz de surpreender, até porque guarda identidade com um mau costume político. É a ânsia de muitos deputados em cobrar e receber logo o dinheiro das emendas prometidas em troca do apoio à reforma da Previdência; prêmio a que fazem jus por não terem mutilado totalmente, mas apenas parcialmente, o texto da matéria proposto pelo Executivo.

Num passo à frente, graças a singular simbiose de bizarrice e espanto, o segundo semestre também avança por iniciativa do presidente Jair Bolsonaro, que, soprando cinzas e brasas do passado que adormecia, trouxe à trempe dois capítulos sepultados no golpe de 64: contestou a responsabilidade do Estado na morte de um militante de esquerda, Fernando Santa Cruz, mexendo com sentimentos do presidente da OAB, e exaltou, mais uma vez, o coronel Brilhante Ustra, que o chefe do governo tem na conta de herói nacional, mesmo tendo sido o primeiro oficial de 64 a ser condenado como torturador em decisão judicial de 2008.

O mais grave na caminhada de um país de perplexos é o temor de perdermos a capacidade de estranhar essas coisas que nos rondam e nos ameaçam; como se uma anestesia geral se abatesse sobre a nação. O presidente, antes de todos, teria o dever de nos poupar desse triste destino.

Jornal do Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.