Atos contra Bolsonaro levam milhares às ruas pelo Brasil

quarta-feira, 14 agosto, 2019

Houve atos em 204 cidades, segundo a União Nacional dos Estudantes

Um protesto organizado por centrais sindicais e movimento estudantil contra a política educacional do governo Jair Bolsonaro (PSL) e cortes na área reuniu, no fim da tarde desta terça-feira (13), milhares de pessoas pelo país. Houve manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Recife, entre outras cidades.

Segundo a União Nacional dos Estudantes (UNE), houve atos em 204 cidades, em praças, campus universitários e nas ruas. A entidade estima que os protestos tenham reunido cerca de 900 mil pessoas pelo país.  No protesto do dia 15 de maio, a UNE havia identificado atos em cerca de 220 cidades.

Macaque in the trees
Manifestação pela educação (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

As manifestações foram marcadas por críticas ao programa Future-se, que estimula captação de verba privada por universidades federais. Em ato em São Paulo, uma faixa dizia: “Exterminador do futuro ou enganador do Future-se”.

Esta é a terceira onda de atos contra a política de educação de Bolsonaro a tomar várias cidades.

Em São Paulo, o ato, um tanto esvaziado numa tarde fria e chuvosa, foi contrário também à reforma da Previdência e outras bandeiras governistas. A manifestação não poupou o presidente de xingamentos como “idiota”. Políticos de oposição o acusaram de tentativa de “implantar uma ditadura” no Brasil.

Com os tradicionais balões das centrais sindicais, incluindo um com presidente com uma faixa laranja (referência ao suposto esquema de candidaturas laranjas do partido de Bolsonaro) no peito, a manifestação ocupava cerca de dois quarteirões da avenida Paulista por volta das 17h30.

O protesto ganhou mais corpo com a chegada de estudantes secundaristas no início da noite. No entanto, o público não chegou perto de grandes protestos contra cortes do governo nas universidades, como ocorrido em maio deste ano.

Os manifestantes desceram pela rua da Consolação rumo à praça da República, onde o ato se encerrou sem incidentes por volta das 20h20.

O ex-ministro do Trabalho Luiz Marinho (PT), no alto do carro de som, chegou a dizer que “inventaram até uma facada para colocar ele no Palácio do Planalto”. “Estamos enfrentando não simplesmente um governo que pensa diferente de nós, mas um governo que quer implantar uma ditadura”, afirmou.

A deputada estadual Beth Sahão, também do PT, definiu os cortes como “um desmonte”. “As políticas educacionais e públicas neste país estão desidratando”.

Presidente da Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual), a deputada estadual Professora Bebel (PT) falou que “Bolsonaro não tem condições de ser presidente do Brasil”. “O nosso presidente seria o Lula, mas o golpe, através das fake news, colocou no poder esse idiota que não pensa no que fala.”

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) e sindicatos filiados e ela estiveram na manifestação em apoio a estudantes e professores. Também se posicionaram contra a reforma da Previdência.

Segundo Sérgio Nobre, secretário geral da CUT, as mudanças nas aposentadorias são danosas aos trabalhadores. “O país está sendo desmontado. A manifestação de hoje é  também contra a Previdência, que impede que trabalhadores se aposentem”, disse ele.

Para o CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), há uma expectativa que o Senado faça mudanças na proposta da reforma, enviada pela Câmara dos Deputados na última quinta-feira (8). “Vamos continuar nos mobilizando para que a reforma não tire dinheiro de quem precisa. Somos a favor de uma reforma que corrija as distorções da Previdência”, afirmou Onofre Gonçalves de Jesus, dirigente nacional do CTB.

Rio de Janeiro No Rio, manifestantes se reuniram em frente à Igreja da Candelária, no centro.

Grupos de estudantes da rede pública entoaram gritos como “Sou estudante, não abro mão da Previdência e da educação” e “Trabalhador, tô do seu lado, nosso futuro não será privatizado”.

Os manifestantes caminharam da Candelária até o prédio da Petrobras, a cerca de 1 km, onde defenderam a valorização da estatal. Por volta das 19h, a chuva acompanhada de fortes rajadas de vento contribuiu para que o ato dispersasse.

As professoras de sociologia Maria da Conceição, 71, e Ruth Vilhena, 73, afirmam que a luta pela educação as levou ao protesto. “Quem estudou e trabalhou em escola pública vê essa destruição. Tenho esperança que o país acorde, não pode viver nesse retrocesso”, diz Ruth.

Maria afirma que foi ao ato para demonstrar que não concorda com o projeto (“ou com a falta de projeto”) do governo Bolsonaro. Ela diz que gostaria que existissem mais canais de participação popular, porque entende que a população não se sente inteiramente representada pelos políticos. “Em 2013 deixamos isso claro. Aliás, em 1968 já dissemos isso.”

Brasília Em Brasília, as pautas eram as mesmas: contra cortes na educação, o projeto Future-se e a reforma da Previdência.

Os organizadores da passeata estimaram a participação de 10 mil pessoas. Dentre os quais, dois mil indígenas que estão acampados na cidade. Já a PM contou 4.000 participantes.

A passeata começou por volta das 10h30. Todas as pistas do eixo monumental foram ocupadas pelos manifestantes, que seguiram em direção ao Congresso Nacional. Eles se uniram com a Marcha das Mulheres Indígenas.

Por volta das 11h, manifestantes dos dois movimentos se juntaram no gramado diante do Congresso. Não houve registro de tumulto.

A Força Nacional de Segurança foi autorizada a fazer a segurança dos arredores de prédios do Ministério da Educação e da Esplanada dos Ministérios, segundo decreto assinado na semana passada pelo ministro Sergio Moro (Justiça).

A UNE tentou barrar na Justiça a medida por entender que ela é ilegal, mas o ministro Sérgio Kukina, do Superior Tribunal de Justiça, negou o pedido.

Sob sol forte, os manifestantes começaram a dispersar por volta das 12h30 e, às 13h30, o ato já havia acabado no gramado em frente ao Congresso. A manifestação, menor do que as realizadas neste ano, não chegou a passar em frente ao MEC, como era previsto.

Bandeiras da CUT, PT, PSOL e PCO integraram o movimento.

Capitais Houve protestos também em outras capitais do país. Em Curitiba, um grupo segurava uma faixa com a inscrição #Morocriminoso no ato pela educação em frente à UFPR (Universidade Federal do Paraná), tradicional ponto de manifestações.

O protesto é coordenado pelo diretório acadêmico da federal e começou por volta das 18h. Eles devem fazer uma caminhada pelo centro da cidade. Ainda não havia estimativa de público até o início desta noite.

O ato em Belo Horizonte teve um foco diferente dos anteriores, tendo como pauta principal o protesto contra o programa Future-se, do ministério da Educação. Uma das críticas é que não houve debate com as universidades antes do lançamento.

Milhares de manifestantes, boa parte estudantes da UFMG e do Cefet, caminharam pela capital no fim da tarde desta terça. A Polícia Militar de Minas Gerais não divulga estimativa de público. ?Houve ainda manifestações contrárias à reforma da Previdência. Parte dos cartazes e camisetas faziam referência à campanha “Lula livre”, pedindo a liberdade do ex-presidente preso desde o ano passado, em Curitiba.

Na capital gaúcha, o ato iniciou às 18h, na Esquina Democrática, ponto tradicional de protestos desde a ditadura militar. Milhares de estudantes e sindicalistas saíram em marcha pelo centro de Porto Alegre até a faculdade de educação da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Em uma performance artística, estudantes maquiados e segurando cartazes representavam o SUS, a educação, a reforma da Previdência e o meio ambiente. Entre eles, um “leiloeiro” questionava: “quem dá mais?”.

Em cartazes, era possível ler “Nossa arma é a educação”, uma crítica à política armamentista do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Sou estudante, não abro mão de Previdência e mais educação”, era um dos cânticos entoados pelos manifestantes.

O Future-se também foi alvo de protesto no ato gaúcho. “Temos que mostrar o desmonte da educação pública gratuita. Só com a educação pública podemos desenvolver nosso país”, disse o deputado estadual Pepe Vargas (PT-RS), no carro de som do ato.

No Recife, a manifestação contra o bloqueio de verbas nas universidades federais reuniu estudantes, professores e integrantes de movimentos sociais no centro da cidade. A caminhada, com palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL), teve início às 16h.

Trios elétricos participaram do protesto. Os manifestantes também criticaram a reforma da Previdência, que está em tramitação no Senado Federal. As principais vias do centro ficaram engarrafadas. A Polícia Militar não informou a quantidade de manifestantes no ato.