A LENDA DE JANAÍNA

sábado, 1 fevereiro, 2020

São muitos os vossos nomes, Mamãe: Iyemanjá, Yemanjá, Yemaya, Iemoja, Iemanjá,Yemoja, Mãe d´água,Iara, Sereia, Princesa do Mar, Marbô, Inaê, Mucunã, Rainha do Mar, Rainha das Águas, entre tantos outros.

Mais o seu Amor é um só: Odoyá, Minha Mãe! Salve, doceyabá  Janaína!!!

A LENDA: RAINHA AFRICANA

A Africa era árida e seca, então Iemanjá nasceu dos deuses.

E a Iemanjá sentiu-se só e os deuses deram-lhe um filho, que ela teve pelo umbigo.

A esse filho ela chamou Rio.

E o rio cresceu e atravessou a Africa e foi ter ao mar.

Do outro lado abriu os braços, que se ramificaram; e cada ramificação foi um filho novo e cada novo filho teve um novo nome: Missouri, Mississippi, Amazonas, Rio de la Plata.

Com a primeira árvore nascida na Africa, um Imbondeiro; Iemanjá fez uma grande canoa e nela colocou todas as vozes que desciam por outros rios: o Kwanza, o Kunene, o Zambezi, o Limpopo, o Kongo, o Niger e o Nilo.

E disse: tu és o meu filho, tu és o Homem Africano.

E o Homem Africano partiu para o rio de Iemanjá cantando; e a canção era a Esperanca, o ritmo era o remo, batendo na água; e o coração era uma grande maraka repetindo:

Não te esqueças, Não te esqueças, Não te esqueças…

Ffoto google: crônicas de Frank

A CANÇÃO: JANAÍNA

Eu peço a Janaína
Em vossa casa no mar
Abençoe os Vossos filhos
Que vieram Vos saudar

De pé aqui firmados
Nós podemos balançar
Lavando nossas mágoas
Aprendendo a perdoar

Imanta as mulheres,
Educa as meninas
A trabalhar a força
Dessa amada Mãe Divina

São muitos os vossos nomes
Ò Mãe que nos ensina
Ocultos no balanço

Gê Marques
Reino do Sol

Frank Oliveira

Deputado promete ‘judicializar’ aprovação da reforma da Previdência do Estado

sábado, 1 fevereiro, 2020

“Pelo nível de atropelamento (da tramitação do projeto até sua votação), aumentou sua complexidade”, disse Hilton Coelho ao bahia.ba

Estela Marques / Romulo Faro
Foto: Luiza Lopes/bahia.ba
Foto: Luiza Lopes/bahia.ba

 

Em entrevista ao bahia.ba na noite de sexta-feira (31), logo após a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição do Estado) 159/2020, na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o deputado Hilton Coelho (PSOL) afirmou que vai “ver quais são as possibilidades de judicialização” do resultado da sessão.

“Pelo nível de atropelamento (da tramitação do projeto até sua votação), aumentou sua complexidade. Nós vamos ver quais são as possibilidades de judicialização. Não vamos nos dar por vencidos com essas perdas para os servidores”.

O deputado criticou o governo por causa da presença da Polícia Militar, que acabou impedindo os servidores de acompanhar a votação do projeto da reforma.

“O governo fez uma movimentação terrível, inclusive a tropa de choque (da PM) dentro do plenário. Não tenho conhecimento disso nem no período da ditadura militar. Eles acabaram criando a situação de levar a sessão para uma sala fechada”, disse Hilton Coelho.

O psolista criticou também a visita que o governador Rui Costa fez ao Tribunal de Justiça da Bahia para argumentar pela suspensão de uma liminar que impedia a tramitação da reforma na Assembleia.

“A visita do governador acabou conturbando a decisão da desembargadora, porque eles defenderam uma confusão a partir de uma nomenclatura. O estudo que foi feito na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) não é o estudo necessário para se fazer uma reforma da Previdência. O estudo é específico, e foi feito como segredo do imperador Rui Costa. Esse estudo foi feito com dinheiro público através de uma consultoria privada. Esse estudo, obrigatoriamente, pela lei, deve ser submetido ao Conselho Previdenciário do Estado, que foi também completamente atropelado. Nem voz foi dada ao conselho. O governo fez uma reunião com o conselho sem dar posse ao conselho”.

Para entrar em vigor, a reforma da Previdência do Estado não precisa de sanção do governador, pois, por se tratar de uma PEC, é o próprio Poder Legislativo quem valida seus efeitos.

Bahia.Ba