APLB EM DEFESA DA CATEGORIA – “Iremos reagir contra o corte nos salários. O governo terá que devolver os valores” afirma Rui Oliveira

quinta-feira, 27 fevereiro, 2020

A direção da APLB-Sindicato foi surpreendida com a absurda informação, confirmada nesta quarta-feira de cinzas, de que o governador Rui Costa, descontou do salário da maioria dos professores que realizaram duas paralisações convocadas pela APLB-Sindicato. A direção da entidade acredita que essa ação é uma clara demonstração de truculência, arrogância e prepotência do governador do Estado e informa que seguirá com medidas em defesa da categoria e tomará as devidas providências nesta quinta-feira (27/02). De acordo com o coordenador-geral da APLB, o professor Rui Oliveira, “É inaceitável que um governante tenha feito o que nem ACM original, o avô, fez contra a categoria. Fomos surpreendidos e repudiamos essa ação truculenta e violenta contra os professores e coordenadores do Estado. Vamos reagir imediatamente e tomaremos as providências cabíveis. O governador vai ter que devolver estes valores aos trabalhadores. Não iremos recuar, diante de ação tão desrespeitosa contra a categoria, pois professor é para brilhar e não morrer de fome”, enfatizou Rui.

Fonte: APLB Sindicato

Nosso comentário:

Em tempos de autoritarismo, nenhuma maldade deve ser encarada com surpresa.


FHC, , Ciro, Lula e OAB reagem contra ato anti-Congresso apoiado por Bolsonaro

quarta-feira, 26 fevereiro, 2020
BRASIL

Líderes políticos como os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso e o presidente da OAB manifestaram repúdio na noite desta terça-feira (25) à iniciativa do presidente Jair Bolsonaro de compartilhar vídeos convocando manifestações contra o Congresso para o próximo dia 15.

A manifestação é uma reação à fala do ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, que chamou o Congresso de “chantagista” na semana passada.

Bolsonaro encaminhou a amigos um vídeo que convoca a população a ir às ruas para defendê-lo.

A informação foi confirmada à Folha pelo ex-deputado federal Alberto Fraga, amigo do presidente. Outro vídeo, diferente do recebido por Fraga, mas exaltando a manifestação do dia 15, também foi compartilhado por Bolsonaro, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo.

Em mensagem em rede social nesta terça, Lula chamou o episódio de “mais um gesto autoritário de quem agride a liberdade e os direitos todos os dias”.

“É urgente que o Congresso Nacional, as instituições e a sociedade se posicionem diante de mais esse ataque para defender a democracia.”

Fernando Henrique Cardoso, também em rede social, disse: “A ser verdade, como parece, que o próprio Pr tuitou [na verdade, enviou a amigos por WhatsApp]convocando uma manifestação contra o Congresso (a democracia) estamos com uma crise institucional de consequências gravíssimas. Calar seria concordar. Melhor gritar enquanto de tem voz, mesmo no Carnaval, com poucos ouvindo.”

O ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes (PDT), candidato derrotado por Bolsonaro na eleição de 2018, também cobrou reação dos presidentes da Câmara e do Senado. “É criminoso excitar a população com mentiras contra as instituições democráticas.”

O governador de São Paulo, João Doria, também falou por meio de rede social: “Devemos repudiar com veemência qualquer ato que desrespeite as instituições e os pilares democráticos do país. Lamentável o apoio do Presidente Jair Bolsonaro a uma manifestação contra o Congresso Nacional.”

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da oposição, informou que está propondo aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a outros líderes que se reúnam para discutir ações diante da participação de Bolsonaro na convocação para as manifestações.

“Temos que parar Bolsonaro! Basta! As forças democráticas deste país têm que se unir agora. Já! É inadiável uma reunião de forças contra esse poder autoritário. Ou defendemos a democracia agora ou não teremos mais nada para defender em breve. Ao não encontrar soluções para o país, ao se sentir sozinho, isolado e frágil, Bolsonaro apela ao que todos temíamos: a um ato autoritário contra a própria democracia. Não dá mais”, disse Molon, em nota.

O líder da oposição no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), falou em “impedir a escalada golpista”. “Agindo como um vulgar extremista e não como presidente do país, Jair Bolsonaro convoca ato contra a democracia. Chega!”

O presidente nacional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, disse que o ato de Bolsonaro, se confirmado, pode abrir caminho para pedido de impeachment.

“Entendo que é inadmissível, o presidente está mais uma vez traindo o que jurou ao Congresso em sua posse, quando jurou defender a Constituição Federal. A Constituição e a democracia não podem tolerar um presidente que conspira por sua supressão”, afirmou Santa Cruz.

Segundo ele, a convocação pode se enquadrar no artigo 85 da Constituição, que diz que “são crimes de responsabilidade os atos do presidente da República que atentem contra a Constituição Federal e, especialmente, contra: […] o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação”.

A fala de Heleno que inspirou a convocação das manifestações foi no último dia 18. Em um áudio captado durante uma transmissão em rede social, o ministro foi flagrado dizendo que Bolsonaro não poderia aceitar que o Legislativo queira avançar sobre o dinheiro do Executivo.

“Não podemos aceitar esses caras chantageando a gente. Foda-se”, disse aos ministros Paulo Guedes (Economia) e general Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

Do Política Livre


Bolsonaro compartilha convocação de ato com grupos autoritários contra o Congresso e gera repúdio

quarta-feira, 26 fevereiro, 2020

Incentivados por parlamentares bolsonaristas e pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, ativistas conservadores preparam um ato que tem provocado reações de repúdio ao pregar bandeiras de extrema direita, contrárias ao Congresso e em defesa de militares e do atual governo.

Macaque in the trees
Bolsonaro teria cometido crime contra a Democracia (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

A manifestação, marcada para 15 de março, é uma reação à fala do ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, que chamou o Congresso de “chantagista” na semana passada.

O ato estava previsto desde o final de janeiro, mas acabou mudando de pauta para apoio a Bolsonaro e encorpando insinuações autoritárias após Heleno atacar o Legislativo.

Pelas redes sociais e por WhatsApp, apoiadores do presidente postam imagens de ataque ao Congresso, retirada dos comandantes da Câmara e do Senado e de alusão ao uso das Forças Armadas no movimento.

O próprio presidente Jair Bolsonaro encaminhou a amigos um vídeo que convoca a população a ir às ruas no dia 15 de março para defendê-lo. A informação foi confirmada à Folha de S.Paulo pelo ex-deputado federal Alberto Fraga (DF).

“Eu recebi um vídeo, ele [presidente] me encaminhou. Mas não foi ele que fez o vídeo. Confesso que não entendi assim [como um incentivo]. Ele nunca fez esse tipo de pedido. Quem está fazendo isso são os bolsonarianos pelas redes sociais. Para mim, mesmo, ele não falou absolutamente nada”, disse Fraga, que é amigo pessoal do presidente.

Um outro vídeo, diferente do recebido por Fraga, mas exaltando a manifestação do dia 15 e adotando tom mais dramático, também foi compartilhado por Bolsonaro, conforme revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Ao menos seis congressistas bolsonaristas já manifestaram apoio à mobilização: Carla Zambelli (PSL-SP), Filipe Barros (PSL-PR), Guiga Peixoto (PSL-SP), Aline Sleutjes (PSL-PR), Delegado Éder Mauro (PSD-PA) e a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS).

Os atos podem azedar ainda mais a relação entre o governo e o Congresso.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse na semana passada que “nenhum ataque à democracia será tolerado pelo Parlamento”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que na última semana já havia afirmado que o ministro-chefe do GSI havia se transformado em um “radical ideológico contra a democracia”, afirmou à Folha nesta segunda (24) que a atuação do Legislativo não é de parlamentarismo branco, mas “apenas responsabilidade com os brasileiros”.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), já chamou a manifestação do dia 15 de “inoportuna”.

O general da reserva Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo na gestão Bolsonaro, criticou a mobilização e a classificou como irresponsável ao usar imagens de Heleno e do vice-presidente, general Hamilton Mourão.

“Exército Brasileiro –instituição de Estado, defesa da pátria e garantia dos poderes constitucionais, da lei e da ordem. Confundir o Exército com alguns assuntos temporários de governo, partidos políticos e pessoas é usar de má-fé, mentir, enganar a população”, escreveu Santos Cruz.

Nas redes sociais, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) criticou o ato de Bolsonaro de compartilhar um vídeo com convocações para o protesto.

“A ser verdade, como parece, que o próprio Pr [presidente da República] tuitou convocando uma manifestação contra o Congresso (a democracia) estamos com uma crise institucional de consequências gravíssimas. Calar seria concordar. Melhor gritar enquanto de tem voz, mesmo no Carnaval, com poucos ouvindo.”

Diferentemente do que disse FHC, contudo, Bolsonaro não tuitou o vídeo, mas encaminhou a amigos.

Inicialmente, a manifestação serviria para defender a proposta que determina a prisão após condenação em segunda instância e recolher assinaturas para a Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro tenta criar.

Em áudio da Presidência captado em transmissão ao vivo em cerimônia de hasteamento da bandeira no Palácio do Planalto, na manhã de terça-feira (18), Heleno afirmou que o Executivo não pode aceitar chantagens do Congresso o tempo todo.

“Nós não podemos aceitar esses caras chantagearem a gente o tempo todo. Foda-se”, disse Heleno, na presença do ministro Paulo Guedes (Economia) e Luiz Eduardo Ramos (Governo).

Heleno defendeu que Bolsonaro deixasse claro à população que está sofrendo uma pressão e “não pode ficar acuado”. O presidente teria dito a aliados para não avançar na proposta.

Para bolsonaristas, a fala de Heleno foi vista como uma convocação. De acordo com representantes de ativistas conversadores, mais de 60 cidades já confirmaram atos no dia 15.

“Admiro imensamente o general Heleno. Não posso concordar com o Congresso em engessar R$ 30 bilhões do Orçamento. A sociedade mostrará que todo poder emana do povo e para o povo”, afirmou o porta-voz do grupo #NasRuas, Marcos Bellizia, que é militar da reserva.

Em uma das postagens de apoiadores de Bolsonaro, a foto de Mourão e de Heleno fardado aparece ao lado de outros dois militares com a frase: “Os generais aguardam as ordens do povo. FORA Maia e Alcolumbre”.

Na quarta-feira (19), com a divulgação da declaração de Heleno pelo jornal O Globo, a irritação no Congresso foi generalizada. Deputados e senadores da oposição protocolaram pedidos de convocação do ministro.

Apoiador do ato do dia 15, o deputado Filipe Barros postou que a pauta é uma só, de “apoio ao Presidente @jairbolsonaro”. “Em Londrina, assim como em todo Brasil, teremos manifestação dia 15 de março”, escreveu no Twitter.

No mesmo tuíte, o deputado federal posta uma imagem com a mensagem “foda-se” em primeira plano com a foto de Heleno fardado. Atrás aparece uma manifestação na Esplanada dos Ministérios, com o Congresso ao fundo. Procurado pela Folha, Barros não retornou.

De acordo com a deputada Carla Zambelli, os atos representam uma crítica ao Congresso.

“Essa manifestação mostra que o povo não votou em Bolsonaro para ter, de fato, um parlamentarismo branco. A população, em geral, não confia em boa parte do Congresso, infelizmente”, afirmou.

Zambelli esteve à frente de um dos movimentos que fizeram, também num 15 de março, só que há cinco anos, um dos maiores atos a favor do impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT).

“As manifestações do impeachment também representavam uma pressão sobre o Congresso”, afirmou a deputada.

A senadora Soraya Thronicke usou as redes para atacar os responsáveis pela articulação entre o Executivo e Legislativo.

“Desde o início de 2019 eu já dizia: não é falta de articulação do governo, mas sim falta de caráter daqueles que se comprometeram conosco; o plano era pessoal, caímos como patetas. Vamos pressionar o Planalto pela saída do MDB das lideranças do governo”, disse a senadora, endossando Heleno.

“Eu estou nos bastidores e posso dizer com propriedade: não duvidem do general Heleno”, afirmou.

O embate entre governo e Congresso começou após a aprovação do Orçamento.

A dificuldade em chegar a um acordo sobre a divisão do dinheiro dentro do chamado Orçamento impositivo elevou a temperatura entre Executivo e Legislativo.

Pessoas ligadas a Bolsonaro chegaram a chamar de “golpe do parlamentarismo branco” a insistência dos congressistas em ficar com a gestão de mais de R$ 30 bilhões do total de R$ 80 bilhões do Orçamento que, pelas projeções, está livre para ser gasto em 2020.

O Palácio do Planalto ficaria sem controle de quase metade dos recursos disponíveis, e também do cronograma de gastos dessa fatia, deixando o governo mais frágil diante do Legislativo. (Renato Onofre e Camila Mattoso/FolhaPressSNG)


Trabalho infantil aumenta 38% durante o carnaval; saiba como denunciar

domingo, 23 fevereiro, 2020

Em média, a cada ano, as notificações de casos de trabalho infantil aumentam 38% durante os meses de carnaval, em todo o país, de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT). Na Paraíba, esse tipo de crime cresceu 48,8% no período da data festiva, saltando de 129 ocorrências denunciadas em 2018 para 192 em 2019.

Macaque in the trees
Durante o carnaval, muitas crianças e adolescentes são vistos nas ruas trabalhando (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Durante o carnaval, muitas crianças e adolescentes são vistos nas ruas assumindo funções como a de vendedor ambulante, catador de latinhas e guardador de carros. Porém, conforme alerta o MPT, ao exercer atividades laborais, têm seus direitos violados e acabam ficando mais vulneráveis à exploração sexual e ao aliciamento de traficantes de drogas.

No Brasil, o trabalho é proibido para pessoas com idade inferior a 16 anos. A exceção ocorre quando assegurada a condição de aprendiz, prevista para adolescentes a partir dos 14 anos de idade. A legislação vigente estabelece que jovens com idade entre 16 e 18 anos podem trabalhar somente se não ficarem expostos a trabalho noturno, perigoso, insalubre ou àquele que traga algum prejuízo à sua formação moral e psíquica.

Para reforçar a importância de se preservar os direitos de crianças e adolescentes, o MPT conclama os foliões por meio de uma campanha que está sendo difundida em locais de concentração dos blocos. O conteúdo também pode ser encontrado nas redes sociais, por meio das hashtags #CarnavalSemTrabalhoInfantil e #CarnavalSemExploraçãoInfantil.

O órgão mantém, ainda, uma campanha nacional, de caráter permanente e identificada nas redes sociais com a hashtag #ChegaDeTrabalhoInfantil. Esta mobilização conta com o apoio de personalidades como Daniela Mercury, Elba Ramalho e Wesley Safadão.

Daniela Mercury

@danielamercury

As crianças precisam de nossa proteção.

View image on Twitter
40 people are talking about this

Qualquer pessoa pode formalizar denúncias de trabalho infantil, através do Disque 100, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, e do aplicativo MPT Pardal, disponível para os sistemas Android e iOS. As denúncias também podem ser registradas em formulário online, no site do MPT.(Agência Brasil)


Programação do CARNAVAL de SALVADOR

sexta-feira, 21 fevereiro, 2020


Carnaval 2020 abre com Brown e pipocas de Eva, Bell, Harmonia, Cláudia, Léo e Psirico

quinta-feira, 20 fevereiro, 2020

 

Carnaval 2020 abre com Brown e pipocas de Eva, Bell, Harmonia, Cláudia, Léo e Psirico

Foto: Ag Haack / Bahia Notícias

Nomes de peso dão o pontapé inicial no Carnaval 2020 em Salvador nesta quinta-feira (20). A abertura oficial fica por conta de Carlinhos Brown, que havia ficado de fora da folia baiana no ano passado por sua própria vontade (entenda aqui e aqui). O cacique se apresenta ao lado do Movimento Percussivo Timbaleiro Drummers no Circuito Dodô (Barra-Ondina) a partir das 17h30.

 

Também na Barra, a festa é do folião pipoca, que contará com trios independentes de Banda Eva, Harmonia do Samba, Daniela Mercury, Claudia Leitte e Bell Marques. O Bloco Cheiro, com Cheiro de Amor, também volta à Avenida depois de três carnavais sem sair.

 

Já no Circuito Osmar (Campo Grande), Léo Santana e Psirico também comandam trios pipocas. Entre os blocos, também há apresentações de Xande de Pilares, É o Tchan, Tonho Matéria e Nelson Rufino, que terá participação de Dudu Nobre.

 

No Batatinha (Centro Histórico) se apresentam as bandas Arca Axé, Afro Idará, Kayala da Bahia e Jorge Garcia. Nesta quinta não há programação nos Largos do Pelourinho. Confira a programação completa:

 

CIRCUITO DODÔ – BARRA

17h30 – ABERTURA – CARLINHOS BROWN – Carlinhos Brown e Movimento Percussivo Timbaleiro Drummers
17h45 – TRIO INDEPENDENTE – Banda Eva
18h00 – TRIO INDEPENDENTE – Harmonia do Samba
18h15 – TRIO INDEPENDENTE – Daniela Mercury
18h30 – TRIO INDEPENDENTE – Mudei de Nome
18h45 – TRIO INDEPENDENTE –  Claudia Leitte
19h00 – TRIO INDEPENDENTE –  Bell Marques
19h15 – TRIO INDEPENDENTE – Katê
19h30 – BABY LÉGUAS – Kfuné
19h45 – TRIO INDEPENDENTE – Lincoln e Duas Medidas
20h00 – TRIO INDEPENDENTE – Rafa e Pipo
20h15 – SIRI COM TODI – Chica Fé
20h30 – FISSURA – Guga Meira
20h45 – YES/CHEIRO – Cheiro
21h00 – ALÔ INTER Babado – Novo
21h15 – TRIO INDEPENDENTE – La Furia
21h30 – OS MASCARADOS – Margareth Menezes
21h45 – TRIO INDEPENDENTE – Chiclete com Banana
22h00 – TRIO INDEPENDENTE – Denny Denan
22h15 – TRIO INDEPENDENTE – O Poeta
22h30 – TRIO INDEPENDENTE – Solange Almeida
22h45 – TÔ LIGADO – Patrulha do Samba
23h00 – SURF REGGAE – Lula Ribeiros e a Orquestra de Reggae
23h15 – BIG BLOCO DO GUETHO / EU AMO OS ANOS – 80 – Máquina do Tempo
23h30 – NOVA SAGA – Makonnen Tafari
23h45 – TRIO INDEPENDENTE – Ara Ketu

 

CIRCUITO OSMAR – CAMPO GRANDE/AVENIDA

 

18h00 – TI LÉO SANTANA (BT) – Léo Santana
18h15 – TI PSIRICO (BT) – Psirico
18h30 – A MULHERADA – Banda A Mulherada Afro Percussiva
19h00 – TRIO COMCAR
20h00 – TRIO ARMANDINHO DODÔ E OSMAR e REI MOMO – Banda Armandinho, Dodô e Osmar
20h30 – ALERTA GERAL – Xande de Pilares, Délcio Luiz, Miudinho
21h00 – PAGODE TOTAL – É o Tchan / Molejo / Salgadinho / Banda Pagode Total
21h30 – BLOCO DA CAPOEIRA – Tonho Matéria
22h00 – BANKOMA – Bankoma
22h30 – AMOR E PAIXÃO – Nelson Rufino, Batifun, Fora da Mídia e a participação de Dudu Nobre
23h00 – PROIBIDO PROIBIR
23h30 – TI PARANGOLÉ (BT) – Parangolé
23h45 – FOGUEIRÃO – Jorge Fogueirão, Samba Comunidade, Alan Dudu e Samba dos Neguinhos
00h15 – SAMBA & FOLIA
00h45 – TI NATA DO SAMBA (BT) – Nata do Samba
01h15 – AFRO REGGAE BAHIA
01h30 – SAMBA TERRAMAR – Banda K Entre Nós / Grupo SPM

TRIO COMCAR – Praça Castro Alves

 

CIRCUITO BATATINHA 2020 – CENTRO HISTÓRICO

 

20h00 – EXPRESSÃO NEGRA – Nildes Vieira e Expressão Negra
20h15 – ARCA DO AXÉ – Banda Arca Axé
20h30 – BLOCO IDARÁ – Banda Afro Idará
20h45 – ARAIYE Banda – Araiye
21h15 – KORIN EFAN – Banda Korin Efan
21h30 – KAYALA DA BAHIA – Banda Kayala da Bahia
21h45 – MALCOM X – Banda Palafitas / Jorge Garcia
22h00 – DARAJU DE ODE – Jorge Garcia
22h15 – NOVA FLOR – Banda KEBRA NAGAST
22h30 – CABEÇA DE GELO
22h45 – BOKA LOUKA – SAMBA DE RESPOSTA
23h00 – OMINIRA – Banda Jorge Garcia / Banda Ominirá
23h15 – TAMOIOS
23h30 – QUESTÃO DE GOSTO
23h45 – SÓ SAMBA DE RODA
24h00 – SKA REGGAE
00h15 – QUINTAL DO SAMBA


BAHIA: Setores do PP e PSD avaliam apoio a Prates, o que criaria porta de saída para Bruno mais à frente

quarta-feira, 19 fevereiro, 2020

EXCLUSIVAS

Aparentemente escanteado do lado de ACM Neto, depois que assumiu o que muitos chamam de aventura de deixar o DEM para se filiar ao PDT, o deputado estadual licenciado e secretário municipal de Saúde, Leonardo Prates, pode ganhar um up em sua pré-candidatura à Prefeitura de Salvador, pelo menos por enquanto.

Setores do PSD e PP, que têm como pré-candidatos, respectivamente, o senador Angelo Coronel e o deputado estadual Niltinho, passaram a avaliar uma aproximação com o aliado do prefeito de Salvador pensando numa eventual composição para a sucessão municipal.

Pelas projeções feitas até agora, um dos cenários pensados implicaria na decisão de Coronel e Niltinho de abrirem mão de suas pré-candidaturas para apoiar Prates que, em contrapartida, incorporaria um candidato a vice indicado por ambos.

O nome cogitado até o momento é o de Eleuza Coronel, mulher do senador, que, segundo pesquisas internas da pré-campanha dele, tem despontado com um nível de musculatura, também segundo avaliações do grupo, capaz de robustecer, principalmente na área social, a postulação de quem apoiar.

A operação, que ainda deve ser colocada sob análise direta dos pré-candidatos do PSD e do PP, teria entre seus entusiastas o deputado estadual Cacá Leão, filho do vice-governador João Leão, que tem trânsito livre também do lado do prefeito ACM Neto e é identificado, tanto na situação quanto na oposição, como amigo pessoal de Prates.

Em conversas com deputados em Brasília, Cacá não nega que considera a composição politicamente viável, pontuando que não traria dificuldades de relacionamento com o governador Rui Costa (PT), porque o próprio PDT a que Prates se filiou pertence à base política do petista.

Ele admite, no entanto, que, para ser efetivada com sucesso, no entanto, teria que contar com o aval dos pré-candidatos Niltinho e Coronel, que passaram a se movimentar tanto politicamente quanto entre lideranças populares desde que foram escolhidos como representantes de suas respectivas legendas à sucessão.

Prates, centro, ganharia mais musculatura com adesão a sua candidatura de PP e PSD

 

Para os defensores da operação, a possibilidade de, no limite da campanha, Prates renunciar à própria candidatura para apoiar o pré-candidato do DEM, Bruno Reis, de quem sonha ser candidato a vice, estaria longe de representar um problema.

Pelo contrário, como diz um parlamentar do bloco, se acontecer, o entendimento se constituiria numa oportunidade de “ouro” para a construção de uma porta de saída, na sucessão municipal, para o PSD e PP, que teriam justificativa para também apoiar, neste momento, o candidato do prefeito ACM Neto.

Fonte: http://www.politica livre .com.br